Candidatos ‘esquecem’ de temas cruciais de Lages

Candidatos ‘esquecem’ de temas cruciais de Lages

3 756

Internauta Diego escreve lá nos comentários com propriedade sobre uma pauta/agenda aos candidatos a prefeito de Lages que, preocupados em apontar o rumo da cidade depois que o mundo acabar, deixam de lado o debate e a providência sobre questões enquanto o mundo ainda não acabou:

“Meu comentário sobre tudo que está acontecendo nesta período do ano em campanhas. Queria fazer uma observação que servirá de lembrete também. Não vi nenhum candidato lembrando de visitar os atingidos das enchentes. Os que a cada previsão do tempo na TV largam tudo para saber o que poderá acontecer. Os que a cada chuva estão com o olho no Rio Carahá. Pois IPTU é pago. E outro detalhe. Nas fotos de 1950 e poucos já existia esse problema (fotos postadas pelo Edson Varela e Godinho nas rede sociais). O que me deixa espantado é a omissão deste assunto”.


SEGUE O INTERNAUTA

“Campanha que visita os atingidos dos granizos que foram atendidos com lonas e telhas beleza, mas e os das enchentes? E as casas invadidas pelas águas? O que me espanta é sempre a mesma desculpa, lixo no rio! Poxa se formos olhar o rio quando sai fora 99% não é lixo, é água. Digamos que 3% é lixo. Mas um detalhe é importante: a quantidade de barranco (terra) dentro do rio é alarmante. A quantidade de asfalto e a velocidade que chega a água no rio é coisa que impressiona até os mais entendidos da Formula 1. Acho que para o debate com os vices e prefeitos (candidatos) seria interessante essa colocação”.


DE FATO, DIEGO

Os candidatos a prefeito e seus programas eleitorais perfeitos, desviam completamente sobre temas cruciais de Lages. E não é o Ceron, o Amaral ou o Marius. É o Ceron, o Amaral e o Marcius. Os três que poderiam debater mais essas questões urgentes e de resolução necessária. Os alagamentos. O que fazer? Os cães de rua. O que fazer? As pessoas abaixo da linha de pobreza. O que fazer? As cirurgias. o que fazer. A fila para vaga na creche. O que fazer? Nada de assunto maquiado, mas puro, verdadeiro e à espera de propostas dos três. Por enquanto nada. Talvez na campanha de 2020.

caraha

Assunto dos alagamentos, inundações e enchentes é pauta do eleitor, não dos candidatos em Lages

3 Comentarios

  1. Me lembro que um dos candidatos antes das eleições até teve alguns projetos para castrar cães, isenção de IPTU para atingido por enchentes, infelizmente não pude assistir à propaganda política devido RBS passar a propaganda de Joaçaba e não pegar SBT onde moro, desta forma entendo que ao menos um destes candidatos deve ter algo nesse sentido.

  2. Esse problema é de fácil solução, mapear as áreas de risco
    e remover todos quem por ventura invadiram ou tem escritura.
    Lages é uma vergonha, o que tem de área verde invadida;
    só como exemplo vou citar a área mais nobre da cidade
    que é o bairro Sagrado, lá tem uma área verde invadida e
    nesta área, logo ali na ponte atrás do Jzago, tem um ferro velho
    em área verde que deposita sucatas de carros vazando óleo no
    Rio Passo Fundo; ninguém toma providencia.

  3. Profissionais técnicos da empresa Água e Solo Estudos e Projetos, de Porto Alegre, estiveram em Lages durante esta sexta-feira (9) cumprindo o planejamento de instalar a Plataforma de Coleta de Dados (PCD) Hidrológica Automática/estação hidrológica, doada pelo Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) à Defesa Civil municipal. O Cemaden é órgão integrante do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. O equipamento, com custo estimado de R$ 40 mil, foi fixado em um ponto estratégico no bairro Habitação, mais precisamente na lateral superior da ponte da rua Cirilo Vieira Ramos, local de fluxo do rio Carahá, onde já foram registradas inúmeras ocorrências de inundações, cheias e enchentes.

    As características do equipamento consistem na dotação de um radar apontado para a lâmina da água do rio, com o lançamento de um feixe de luz. O tempo que o feixe leva para bater na lâmina e voltar significa a altura. Basicamente, isto é o que monitora o nível das águas. O aparelho é formado, ainda, por um pluviômetro, painel solar, antena GSM (Global System for Mobile Communications, ou Sistema Global para Comunicações Móveis) e uma câmera. Esta última fotografa a situação imediata e serve como um meio de comunicação de hora em hora para a central do Cemaden, possibilitando a qualquer cidadão, em tempo real, através de seu site, o acompanhamento do nível do Carahá naquele trecho, reafirmando o atual panorama de Lages como uma cidade digital, com facilidades a sua população. A plataforma entrará em funcionamento ainda nesta sexta.

    A atividade do aparelho permite o monitoramento do nível e, por consequência, a partir de elevações de cotas, a Defesa Civil consegue tomar atitudes de emergência frente aos resultados constatados pelas averiguações da plataforma, como emissão de alertas, interdições e resgate de famílias. Até então, naquela parte do rio, a Defesa Civil se baseava na cobertura, por água, do brasão do Exército que se encontra na estrutura de concreto na parte inferior da ponte.

Deixe uma resposta