Bom Jardim protagoniza campanha complicada

Bom Jardim protagoniza campanha complicada

3 1688

Tem advogado até em dúvida sobre o desdobramento do cenário de candidatura em Bom Jardim da Serra. De um lado Cristiano Cardoso (PSD) disputa a prefeito tendo o Dídio (PMDB) de vice. Mas o do outro lado na candidatura de situação Edelvânio Topanoti (PSDB) renunciou à candidatura depois que a mesma não recebeu deferimento pela Justiça Eleitoral. No lugar de Topanoti, o próprio atual prefeito lançou seu vice como cabeça, o Serginho de Oliveira (PTB).

priscila

O problema está que a coligação decidiu lançar como vice de Serginho a esposa de Topanoti. No caso Priscila Dias (foto acima do registro na Justiça Eleitoral).


PORÉM

Por ser cônjuge de Topanoti, ela não poderia disputar o pleito e o Ministério Público Eleitoral, através do Promotor Gilberto Assink, entrou com representação pedindo a impugnação da candidatura de Priscila Dias.

bjardimb

Aqui está o regramento legal que tornaria inelegível Priscila Dias inelegível, por causa da afinidade com o cônjuge, no caso o atual prefeito

bjardim

Aqui o teor final da representação onde a Promotoria de Justiça pede a impugnação da candidatura da primeira dama de Bom Jardim por causa da situação posta


ONDE ESTÁ A DÚVIDA?

A questão é se a chapa que tem Serginho de Oliveira candidato a prefeito pode substituir a vice, em caso de impugnação? O prazo para substituição era 12 de setembro e, a partir de tal data, apenas em caso de falecimento do candidato. E sem chapa completa pode o interessado disputar ‘sozinho’? Ou Cristiano e Dídio venceriam por ‘W.O.’?


POR OUTRO LADO…

Se o próprio Topanoti, sabedor da impossibilidade dele disputar e depois da própria esposa integrar a majoritária, o que o fez insistir? Não dá para entender essas coisas!

3 Comentarios

  1. Sou morador no município de Bom Jardim da Serra e tenho a certeza de dar a resposta mais concreta e aceitável para tal situação, em relação a insistência do atual prefeito Edelvânio em não colocar ninguém elegível para concorrer ao cargo majoritário: Simplesmente o mesmo não poderia indicar alguém “neutro”, (lembrando que indicou seu vice Serginho e sua esposa Priscila), pois se o este referido elemento neutro viesse nas eleições em outubro próximo ganhar, em janeiro poderia descobrir algo obscuro na gestão atual. Acredito ser a indicação mais aceitável para descrever tal interesse em tentar driblar a justiça eleitoral e afastar quaisquer interessados em concorrer ao pleito.

Deixe uma resposta