R$ 215 mil: Mantido veto da reposição a vereadores

R$ 215 mil: Mantido veto da reposição a vereadores

1 899

Vereador Chagas (PSC) foi um dos que assinou a proposta da reposição salarial retroativa a janeiro. Se aprovada, significaria um impacto de R$ 215 mil a mais nos cofres públicos de Lages neste ano. Valores que iriam para o bolso dos vereadores que já ganham R$ 8.427,00 mensais. Porém, diante dos apelos, ele estava decidido: votaria favorável ao veto do prefeito Toni Duarte.


E…

Procurado pelos colegas para ajudar a aprovar a reposição, Chagas disse que seria contra. “Eu vou continuar vereador. E tenho compromisso com as pessoas de Lages, inclusive as que não me elegeram”. E sobre o fato de ter assinado o documento, Chagas apontou: “Se arrependimento matasse eu estaria morto”. E arrematou: “A pressão é dos que não se reelegeram”.


ASSIM…

Por causa de posições como a do vereador Chagas que a ideia da reposição foi por água abaixo. Sem chances da derrubada do veto, articulou-se a votação por aclamação na boca da noite da terça-feira. Isso após uma estratégia prévia de colocar a matéria na pauta antes do 21 de novembro, quando fora agendada a análise do projeto. E decorrente do fundo de guampa que acabaram ficando aqueles que articularam a reposição, a matéria foi analisada e o veto mantido.


MÉRITO ATÉ DE TONI 

A posição de derrubada da reposição iniciou com o prefeito Toni Duarte (PPS). Foi sua decisão de vetar a reposição, baseada em argumentos relatados à Câmara, devido ao período de vacas magras, que reforçou a pressão contra os vereadores.


NA PRESSÃO…

Episódio também evidencia a força da pressão popular. Com a mobilização através de emissoras como SBT Santa Catarina, RBSTV, Band SC, RicRecord, jornais como O Momento, Correio Lageano e DC, além dos blogs e, principalmente, das emissoras de rádio (Clube FM, Guri AM, Band FM e as demais que abordaram o assunto), a população pressionou e aos vereadores não coube outra posição, senão o recuo. Movimento Vem Pra Rua foi importante na mobilização e Lages saiu fortalecida do processo!

camaraa

O vazamento da informação de que o veto seria votado nesta terça-feira, 08, e não mais no dia 21, conforme anunciado, contribuiu para a reversão da decisão pela reposição

1 Comentario

  1. E dizem que a pressão popular em Lages é fraca ! Pois foi a pressão da população, se fazendo presente na Câmara, comentando nos blogs, nas rádios e mais os comentários da TVs que fez os inconsequentes mudarem suas opiniões. A atitude venceu a imoralidade. E que a população lembre dos nomes daqueles que queriam emplacar esta barbaridade, pois daqui a pouco estão se candidatando de novo.

Deixe uma resposta