“Sou Padre, acredito em milagre, mas não é fácil”

“Sou Padre, acredito em milagre, mas não é fácil”

3 316

Durante três dias os novos gestores municipais participaram de seminário promovido pela CNM em Brasília. Porque viajar é prefeito, os novos prefeitos aproveitaram para ter uma noção mais ampla daquilo que os espera quando assumirem no dia 1.º de janeiro. Ao todo foram onze gestores municipais da Serra Catarinense acompanhar as discussões.


DESABAFO DO PADRE

Prefeito reeleito de Campo Belo, Padre Edilson, argumentou sobre algumas demandas enviadas pelo Governo Federal aos municípios. “Estamos cansados de receber bombas em nossos municípios. Uma delas foi a creche projetada para o Nordeste, e que mandaram para nós da região Sul, região de frio. Não foi fácil para adaptar”. Segundo Padre Edilson, os projetos vão pronto, e não consideram as diversidades regionais. “Sou padre, acredito em milagre, mas não é fácil não”.

padredf16

Padre Edilson aponta que acredita em milagres, mas não é fácil administrar municípios considerando a realidade presente


ANITA GARIBALDI É

‘REFERÊNCIA NACIONAL’

Durante o seminário em Brasília, o município de Anita Garibaldi chegou a ser citado. Citado como exemplo do que não deve ser feito. Há oito menos o município estaria com dificuldades para receber FPM. Tudo decorrente do desequilíbrio econômico reinante por lá. Prefeito eleito, João Cidinei (PR), ouviu, antenou-se e retorna convencido que precisa rédeas curtas e poucos gastos neste início de caminhada.

joaodf

Prefeito eleito João Cidinei (direita) com o colega Paulinho Farias (Ponte Alta) acompanhando o seminário no DF

fernandadf

Neste registro o prefeito eleito do Cerro Negro, Ademilson Conrado com o colega de PP, Celso Rogério (Correia Pinto) – ambos à esquerda. Ao lado de Tio Ligas (Otacílio Costa), a prefeita eleita da Palmeira, Fernanda Córdova e o colega dela de PR, João Cidinei (Anita). Paulinho Farias (Ponte Alta) e Padre Edilson (Campo Belo) integraram o grupo de gestores no evento da CNM

3 Comentarios

  1. Sabe aquela historia do Sul independente? pois bem, caso isso fosse possível, fazendo com que os impostos arrecadados aqui ficassem, teríamos o valor per capita de aproximadamente R$ 4.500,00;

    Isso representaria 710 milhões de reais no orçamento anual de Lages;

    Quantas avenidas “ponte grande” poderiam ser feitas?
    O tal Distrito de Índios sairia do papel;
    A BR 116 poderia ser duplicada…

  2. Meu caro Edson, na verdade milagres não existem e nem Deus, Descartes, o filósofo sepultou Deus quando a razão suplantou a metafísica na Idade Média, colocando uma cisão entre a Ciência e a Religião. Em Brasília há o centro da maior parte dos convênios celebrados aos municípios e as dotações voluntárias que são a critério da União são em sua maioria formada por escolas, creches, centros de saúde e praças, tudo isso é padronizado, o município faz o pedido do convenio faz a licitação e o projeto é construído na área escolhida, é claro que os projetistas não conhecem os locais e nem as características climáticas da região, ensejando estes equívocos.

  3. Edmilson você me faz rir, até que estão levando longe demais esta bobagem. Um SUL endividado é a realidade mais evidente.

Deixe uma resposta