Palmeirenses fazem ‘festa da nona’ na Catedral

Palmeirenses fazem ‘festa da nona’ na Catedral

6 885

Falou em festa da nona por aqui e o pessoal já pensa em evento das fases finais de cursos do CAV. Mas que nada. É a nona conquista do Campeonato Brasileiro que os torcedores que residem no Centro do Mundo – a cidade de Lages – foram às ruas comemorar. Segundo nossos correspondentes, nem bem a Rádio Clube FM, onde tem programa dos italianos, confirmou o placar de um a zero no clássico dos verdões – os torcedores foram às ruas, na tradicional concentração na frente da Catedral.


E…

O local inclusive está sendo preparado porque, nos últimos minutos da próxima quarta-feira, entrando a madrugada da quarta, é para torcedores de outras cores (branco, preto e azul), repetirem o gesto dos palmeirenses no templo sagrado da religião católica, cujo largo é utilizado para as ‘celebrações esportivas’, tipo o que fazem os torcedores do Barcelona na Praça da Catalunha.

palmeira01

Aqui os palmeirosos fazendo a celebração da conquista antes do início da missa das 19 horas na Catedral…

palmeira02

Outro retrato da expressiva festa palmeirense na frente e no largo da Catedral de Lages

palmeira03

Nosso correspondente para assuntos de torcida do Palmeiras foi o mano Jair Bogoni, fazendo os registros (inclusive esse acima) ao lado da esposa Márcia porque casal que torce unido…


OUTRAS DUAS FESTAS

Duas outras festas estão pré-agendadas para a frente da Catedral. A conquista gremista da Copa do Brasil (se der certo, é claro) e a queda ou permanência do Internacional/RS em relação à Série A.

6 Comentarios

  1. Podemos realizar uma maratona histórica e uma discussão não tão profícua, mas salutar sobre a importãncia do esporte bretão e do Palestra Itália, vulgo Palmeiras para Lages. Correia Pinto o fundador de Lages, era Palmeirense de carteirinha, e nesta terra não de palmeiras, mas de araucárias com a espada em riste, bradou o grito que se tornou imortal em cima de seu cavalo de bandeirante. ” Diga ao lageano que, alviverde é imponente”. Não inventei a máquina de viajar no tempo, como no “causo” do Toni, mas possuímos certas singularidades com os palmeirenses. Será que consegui agradar a intelectualidade lageana.

Deixe uma resposta