Medicina na Unifacvest: “A cidade tem que querer”

Medicina na Unifacvest: “A cidade tem que querer”

3 478

Diretor do Colégio Univest e Reitor do Centro Universitário Unifacvest, professor Giovani Broering, trocou alguns dedos de prosa com profissionais da imprensa nesta sexta-feira. Na pauta o modelo de ensino que está em curso no Colégio Univest, a estruturação constante da Unifacvest para atender uma demanda que só cresce em termos de ensino superior e, naturalmente, a implantação do Curso de Medicina entrou na pauta.


O CURSO DE MEDICINA

O professor Giovani Broering esclareceu detalhes sobre o andamento do processo para a implantação do Curso de Medicina. Aponta que não se trata de uma nova opção de ensino apenas para a Unifacvest. “É algo para a cidade. Pensem na repercussão de um curso desses para Lages. Mas a cidade tem que querer”. Segundo Broering, o MEC deve abrir edital para o referido curso e a Unifacvest vai competir com outras instituições. “Estamos confiantes por causa da nossa estrutura”.


QUESTÃO DO QUERER DA CIDADE

A questão do Curso de Medicina já mereceu reunião na Acil, CDL e outras entidades. E embora tais entidades demonstrem interesse em apoiar a causa, não dão um segundo passo para referendar a vinda do referido curso. “Em qualquer outra cidade há engajamento, defesa e apoio. Estamos contando com isso para que Lages tenha mais essa alternativa de ensino superior”, aponta Giovani Broering, admitindo que ainda aguarda gestos de apoio para tornar o foco uma realidade.

A estrutura disponível atualmente na Unifacvest é uma das forças para que a instituição venha a conquistar o Curso de Medicina


ESTUDANTES DE FORA

Atualmente já é grande a quantidade de estudantes que frequentam a Unifacvest, assim como outras instituições de Lages, originários de outras regiões do País. “O Curso de Medicina teria 90% de estudantes de outras cidades ou mais”, aponta Broering. Ele acredita também que novas estruturas (consultórios, clínicas) se abririam na cidade por conta da chegada do Curso. “É natural que isso aconteça”.


ATUAÇÃO SOCIAL

Atualmente a Unifacvest presta um extenso trabalho social. Profissionais de áreas como jurídica, psicologia e fisioterapia realizam trabalho constante. Para se ter ideia, apenas na área de Direito são 250 novos atendimentos todos os meses. Há mais de 10 mil processos na Comarca de Lages, cuja origem é o atendimento realizado por acadêmicos e profissionais ligados à Unifacvest. “E com o Curso de Medicina não teria diferente. Teríamos mais ações direcionadas à comunidade na área de Saúde”, confirma o Reitor da Unifacvest.

Nesta reunião terça-feira, 13, a questão do Curso de Medicina em Lages foi tratado no MEC em Brasília. Deputado Mariani, senador Berger, prefeito Toni e o ex-prefeito Elizeu Mattos se integraram à discussão com o próprio Reitor Giovani Broering e técnicos do MEC. Faltou apenas a Deputada Carmen Zanotto, que representa Lages, presente à conversa na defesa do referido curso para a cidade

3 Comentarios

  1. Mas é bastante óbvio que a população da cidade deseja e muito este curso, quem em sã consciência iria desejar o contrário? Um curso deste porte só gera benefícios pois é mais uma oportunidade de nossos estudantes não precisarem sair de Lages para fazer esse curso (pois até o da uniplac já existente é bastante concorrido) esse curso é algo mais para incrementar nossa economia, nossos voos, nosso shopping, enfim, estranho que existam mentes que não estão enganajadas nessa iniciativa.

  2. Certamente a cidade ganharia, ganharia mais se este curso se instala-se no CAV sendo federal a população teria mais acesso para poder cursa, pois o valor da mensalidade com certeza não será acessível a todos os estudantes que sonham em realizar medicina e certamente ficara novamente apenas para os filhos quais os pais tem condições de pagar como e o caso na uniplac. Lages e município que pode crescer cada vez mais e nos lageanos merecemos essa oportunidade.

Deixe uma resposta