Candidatos que fizeram ‘corpo mole’ na mira do MP

Candidatos que fizeram ‘corpo mole’ na mira do MP

1 1093

Você recorda que antes das eleições municipais circulou a lista de candidatos a vereador que eram servidores públicos e, por isso, tinham direito de deixar de trabalhar por 90 dias, continuar recebendo e mergulhar na campanha? O Ministério Público recorda. Tanto que está cruzando os dados. Tanto que 115 candidaturas de servidores estão sendo analisadas nos mais diversos municípios, inclusive Lages.


É QUE…

Esses 115 servidores públicos disputaram o pleito em 80 municípios e fizeram, cada um, menos de 10 votos. Alguns, inclusive, não fizeram nenhum voto, segundo consta no relatório da Justiça Eleitoral.  Há suspeita de que os candidatos tenham concorrido apenas para usufruir da licença remunerada para servidores em campanha eleitoral, sem praticar atos efetivos de campanha.


INFORTÚNIO OU FRAUDE?

Segundo a norma, servidores públicos têm direito a receber sua remuneração integral durante o período de licença para campanha que, em alguns casos pode chegar a até seis meses. Contudo, se o servidor inscreve-se como candidato apenas para gozar da licença sem efetivamente engajar-se na eleição há, segundo a perspectiva do Ministério Público, a possível ocorrência de ato de improbidade administrativa. Promotores vão investigar em cada município, o que é efetivamente fraude à legislação e o que é, apenas, o infortúnio eleitoral do candidato servidor, que mesmo concorrendo, não conseguiu conquistar sequer 10 votos.

MP faz pente fino nas candidaturas de cidades onde servidores disputaram, mas ficou a impressão de ‘corpo mole’ na campanha apenas para usufruir da licença remunerada que varia entre 3 e 6 meses

1 Comentario

  1. MP muito santinho todo mundo que pega esta licença uma boa parte trabalha para outras candidaturas e recebem por isso, isso é tradicional há 200 antes, só rindo destes caras.

Deixe uma resposta