INSS: 17 em cada 20 perdem Auxílio Doença

4
706

Uma técnica em enfermagem que recebia auxílio doença deixou de comparecer à perícia convocada pelo INSS e justificou a ausência argumentando que a agenda coincidia com seu horário de trabalho. Ou seja, ela recebia o benefício porque não poderia estar trabalhando. Entretanto, não só estava trabalhando como impossibilitada de ir à perícia por causa disso. A grávida que recebia auxílio doença fazia 12 anos, outra mulher que não conseguia andar, mas que ao deixar a perícia se livrou da cadeira de rodas e conduziu o próprio veículo.


UM TERÇO POR DECISÃO JUDICIAL

Todos casos são resultantes do pente fino que o INSS vem fazendo nas perícias de pessoas ‘encostadas’ – que recebem o benefício de auxílio doença. Os dados chamam atenção em percentuais. Segundo o INSS, ao todo 31% daqueles que recebem auxílio-doença e outros 34% que recebem aposentadoria por invalidez, têm acesso ao benefício por decisão judicial e não por análise clínica através de um médico perito.


EM ÂMBITO NACIONAL

Das 87.517 pessoas que se submeteram a perícia, 73.352 (84%) tiveram os benefícios cassados. Outras 11.502 não compareceram para reavaliação e, por isso, deixaram de receber os auxílios. “Oitenta e quatro por cento das pessoas que estão no auxílio-doença há mais de dois anos são saudáveis e por isso que foi cancelado o benefício”, aponta o Secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame.


HÁ CASOS DE ‘INJUSTIÇA’?

Em Lages há reclamações de que as perícias estão dando alta a todos, indistintamente. Na verdade se trata de uma reclamação que não contém verdade absoluta. Como tem prevalecido a tentativa de enganar a perícia, utilizando truques diversos, os peritos, optam pela alta (fim do benefício). Há casos de pessoas, durante perícias, que utilizem de diversos truques para demonstrar doenças. Vão desde situações de não tomar banho por longo tempo que antecede a perícia (para evidenciar desinteresse pela vida, depressão) até o consumo de medicação inadequada que altera o estado clínico, na tentativa de conseguir ou manter o benefício.

Sempre considerando que no meio de alguns que tentam dar golpe, há aqueles que de fato precisam do benefício de auxílio doença, assim como tem caso em que se recorre ao Judiciário, por motivo pertinente e devidamente comprovado como de direito

COMPARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. è uma questão maquiavélica, Temer fala que cerca de 70 por cento da população recebe o mínimo como a´posentadoria, isso é ultrajante é empobrecer o país e deixar uma pequena elite se locupletando com os esforços da nação, sem dúvida este PMDB fascista, passou dos limites plausíveis.

  2. pelo que estamos escutando todos os dias ,não é só o temer que esta passando dos limites,todos os srs.politicos,ninguem mais escapa.ninguem mais atira pedra em telhado alheio.

  3. os benefícios são de fato para quem os merece, senão está doente e inválido realmente está mentido, não só teria que levar multa como devolver o dinheiro, certo está o INSS. devido a estes comportamentos que a justificativa da reforma da previdência toma força. A lei de Gerson de levar vantagem em tudo, e também não adianta sair arrotando contra corrupção com camisa da seleção quando pode levar um por fora faz.

  4. ahhh lucialucia ainda acha que o mundo é um aglomerado de mau políticos, e que em torno desses políticos o universo gravita, o mundo gira, e o sol nasce todos os dias… LuciaLucia maus políticos são subptodutos de maus eleitores… Acorda…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here