Imagens da viagem de trem entre Lages e Vacaria

4
21994

Entre esta sexta-feira e domingo tem passeio de trem na Maria Fumaça em Lages. O trajeto é curto, percorrendo desde a estação ferroviária de Lages até a Estação do Escurinho – ali atrás daquele morro – na Coxilha Rica. Dura cerca de 2 horas. Os ingressos para esse passeio se esgotaram com rapidez. O saudosismo de viajar num vagão de passageiros ou de experimentar o modelo de transporte pela primeira vez, conhecendo as paisagens que margeiam a linha férrea despertaram a busca de ingressos.


VIAGEM DE INSTRUÇÃO DO

1.º BATALHÃO FERROVIÁRIO

Antes desse passeio turístico que se inicia nesta sexta-feira, o 1.º Batalhão Ferroviário promoveu uma viagem de instrução entre Lages e Vacaria, dentro da programação de aniversário da unidade do Exército de Lages. Convidados e aqueles que têm ligação com o histórico da obra de implantação do chamado Tronco Sul da linha férrea, além de integrantes do Exército, fizeram a viagem nesta quinta-feira, 04.


ALGUNS REGISTROS

Como já fizemos esse percurso ano passado, desta feita escalamos o colega Zé Rabelo para conhecer o trajeto e fazer alguns registros, percorrendo o trecho de trem entre Lages e Vacaria. Zé Rabelo separou uma dúzia de imagens para dar uma ideia do passeio.

O embarque aconteceu na estação ferroviária em Lages. Reuniu convidados, pessoas que têm alguma ligação com o Exército, inclusive atuado na obra de construção do Tronco Sul. É o caso, por exemplo, do Capitão reformado do Exército, Emerson de Oliveira, que aparece nesse registro (calça bege). Ele ajudou construir túneis do Tronco Sul e escreveu uma obra chamada Muito Além dos Caminhos que conta um pouco da história da implantação da linha férrea nesse trecho a partir de Lages em direção ao Sul. 

Essa estrutura para transporte de passageiros veio da região de Mafra e Rio Negrinho especialmente para fazer esses passeios em Lages. Os presentes recebem informações e orientações durante o trajeto.

Tenente Coronel Tomaz, Comandante do 1.º Batalhão Ferroviário, o anfitrião dessa iniciativa que resgata para aqueles que fazem o passeio, a importância do Exército na execução de obras como a própria linha férrea do Tronco Sul. No registro acima, Tenente Coronel Tomaz com integrantes da PM de Lages

Ao longo do percurso, os vagões vão vencendo as estruturas construídas lá na metade do século passado e que permitiram que o transporte ferroviário interligasse o Sul do Brasil…

Os participantes do passeio aproveitaram para fazer registros de uma viagem rara que é essa entre Lages e Vacaria para passageiros

São 28 ou 29 túneis que interligam Lages a Vacaria. Cada um tem uma história, uma característica diferente. Todos abertos em tempos que as técnicas de perfuração eram bem diferentes das atuais, o que tornam os operários da época, verdadeiros peritos na atividade desenvolvida!

Aqui Zé Rabelo desceu do trem para fazer o registro da passagem da locomotiva e os vagões me cima da ponte sobre o Rio Pelotinhas, na localidade de Santo Cristo

Outra imagem feita em cima da ponte sobre o Rio Pelotinhas dá ideia da paisagem do local com pinheirais da empresa Gerdau contrastando com a vegetação local.

Aqui uma ideia do trabalho desenvolvido para esse corte em rocha. Evidência da dificuldade que foi tornar essa estrada de ferro uma realidade. Pensemos nesse trabalho realizado lá em meados de 1940, 1950, 1960…


ENTRE OS PASSAGEIROS

DA VIAGEM DE INSTRUÇÃO…

Registramos o contingente feminino do 1.º Batalhão Ferroviário presente na viagem de instrução…

Aqui o engenheiro Enio Spieker que aproveitou o convite do Exército para conhecer um marco da engenharia entre Lages e Vacaria que é a construção da estrada de ferro

E o jornalista Rodrigo Silvério, deixou as locuções da Clube FM de lado na quinta-feira, para percorrer com a esposa o trecho até Vacaria!


Imagens: Zé Rabelo

 

COMPARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Só não entendi o por que não é a maria fumaça que está puxando os vagões e sim um trem a diesel normal? Seria por limitação técnica?

    • Carlos, segundo foi informado para nós que fizemos esta viagem de instrução, o motivo da troca é pela economia, visto que a Maria Fumaça gastaria muita lenha no trecho Lages – Vacaria. O trem a diesel, além de mais forte é mais econômico para este longo trecho.

  2. Trabalhei no 3o. Batalhão Rodoviário de Vacaria, na divisão técnica entre fins de 1951 a setembro de 1957. Foi im período de grande aprendizagem com os engenheiros do Batalhão Majores Garrido, Orlando, Ferreira, Antonazzi e muitas pessoas. Vou tentar fazer a viagem de minha terra natal a Lages. José Severino Toigo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here