Ceron: Coletiva vira relato dos 150 dias no Paço

1
732

Poderia ser uma coletiva para falar dos 150 dias de governo, mas o encontro do prefeito Ceron acompanhado de secretários e do vice prefeito Juliano Polese com profissionais de imprensa foi para pontuar a respeito de assuntos específicos.


DECRETO DE EMERGÊNCIA

Ceron assinou o decreto de emergência considerando o conjunto de informações recebidas, além da realidade que o próprio prefeito presenciou sobrevoando a cidade. Indagado como estava Lages lá de cima, o Gringo resumiu: “Tem 5% numa situação complicada. Mas não vamos na base do achismo. Encontramos apenas um estudo da época da administração do Coruja. Vamos atrás de uma análise técnica para ver que tipo de intervenção pode ser feita para minimizar os problemas”.


AÇÕES EMERGENCIAIS

O prefeito Ceron disse que a equipe tem sido bastante atuante, destacando inclusive o engajamento de 50 servidores comissionados que, voluntariamente, dispuseram-se a ajudar. “Pessoas que merecem nosso reconhecimento pela dedicação”. Apontou o trabalho dos secretários Jean Felipe (Defesa Civil), Bortoluzzi (Obras), Mecabô (Serviços Públicos) e de outras áreas devidamente engajadas. “Nesse momento o trabalho se volta ao atendimento às pessoas. É a prioridade das prioridades”.

Ceron com Polese e o decreto de emergência por causa das chuvas intensas. Apontou-se o registro de 350 mm de chuva desde sexta-feira na cidade desabrigando 750 pessoas. “E nos preocupa porque a chuva vai retornar no domingo”.



OUTROS ASSUNTOS NA

PROSA DO PREFEITO

HERANÇA DE DÍVIDAS – Segundo Ceron, nesses cinco meses de gestão – atualizados os dados – foram pagos R$ 22 milhões de dívidas da administração anterior.


PONTE GRANDE – Há R$ 39 milhões em caixa para a obra. São R$ 13 milhões para o saneamento e o restante para pavimentação. “O atraso custou o asfaltamento do trecho da Ponte Grande entre a BR-282 e a Rua 31 de Março. Mas vamos tentar complementar a obra com recursos do município”.


PERDA DE R$ 5 MILHÕES – De acordo com os dados da administração municipal, o atraso nas obras do Complexo Ponte Grande custaram R$ 5 milhões aos cofres da prefeitura.


REVITALIZAÇÃO DO CENTRO – Segundo Ceron, com informações complementares do secretário Clayton Bortoluzzi, estão inclusas as pendências do projeto do Centro: Estacionamento nas ruas Coronel Córdova e Nereu Ramos (pedido da CDL), posto de polícia no Calçadão e melhorias no projeto dos banheiros públicos. “Agora é só licitar”, aponta Ceron.


UPA SERÁ RETOMADA – Lages corria dois riscos por causa da paralisação das obras da UPA (atrás da rodoviária): Perder a obra por não repasse de recursos do Ministério da Saúde por causa da enrolação até então e o município ter que devolver R$ 1,5 milhão recebidos. “Isso está superado e a obra terá sequência”, garantiu a Secretária de Saúde, Odila Waldrich.


COZINHA COMUNITÁRIA – “É mentira que a prefeitura deve R$ 120 mil para a entidade. O responsável que disse isso na rádio faltou com a verdade”. Disse Ceron. Segundo o prefeito, a busca da manutenção do atendimento às pessoas carentes na Justiça foi a última alternativa. “Mas estamos abertos ao diálogo e temos interesse em retornar à parceria. Porém, não podemos deixar de atender o Marco Regulatório”. A Cozinha Comunitária do bairro Guarujá volta a atender segunda-feira, 05.

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A questão não é o comissionado se engajar ou não, ele recebe um salário na maior parte das vezes maior do que o coitado do efetivo e deve se entregar de corpo e alma mesmo não é aldo auspicioso essa entrega ele tá ali para toda obra. Daqui a pouco passa a chuva vem o sol e todos se esquecem novamente até a próxima enchente, coisa de lageano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here