Emergência em ‘emergência’ na cidade de Lages?

2
4672

Tensão.

Não tem como deixar de usar essa palavra quando podemos estar correndo o risco de fechamento temporário da única emergência hospitalar de Lages. Os médicos que operacionalizam a emergência do Hospital Nossa Senhora dos Prazeres estão discutindo a realidade posta depois que uma liminar da Justiça do Trabalho mandou o estabelecimento de saúde e o Governo do Estado pagarem pela prestação de serviços de sobreaviso e plantões e isso não ocorreu. Segundo os profissionais que atuam no hospital, o atraso se remota a janeiro deste ano. Seriam 6 meses de atraso completando agora. Daí a razão que o Sindicato dos Médicos foi à Justiça, conseguiu-se a liminar, mas o pagamento determinado pelo Judiciário não se configurou.


MÉDICOS CHATEADOS

Um dos médicos que atua na instituição reage:

“Triste ver que uma emergência que atende 84 municípios de Santa Catarina, desde o Alto Vale até Meio Oeste e Planalto Catarinense, esta padecendo, superlotada, defasada e em breve estará provavelmente sem médicos qualificados, pois trabalhar e não receber me parece coisa de história: escravatura”.


INFORMAÇÃO SOBRE O ASSUNTO

Buscamos informações até para contrapor a presente realidade enfrentada pelos médicos. De fato existe um convênio entre o Estado e o Hospital Nossa Senhora dos Prazeres. Esse está com pagamentos em atraso. Mas estaria ocorrendo uma burocracia de prestação de contas de valores repassados ano passado. E o atraso maior estaria se referindo ao período de 2016. Secretário João Alberto (ADR) estaria em busca de resolver as pendências e esclarecer a sociedade a respeito. Até porque, sem repasses, podemos de fato correr o risco de deixar de ter a emergência funcionando. Isso já aconteceu recentemente e foi horrível.

Aqui são atendidos pacientes de 84 municípios catarinenses. Mas há um débito com médicos que fazem plantão e prestam o chamado sobreaviso. Nem a liminar da Justiça do Trabalho que mandou Estado e Hospital pagar os médicos, segundo eles, foi atendida

COMPARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Situação complicadissima, sabe-se que a tempos esta emergência enfrenta problemas, o maior ponto é que realmente existe uma sobrecarga visto que esta é a única emergência na região serrana do estado, enquanto a emergência do Tereza Ramos não inaugurar o problema tende a se manter, alie-se a isso a um povo bastante ignorante que muitas vezes procura a emergência até para se consultar, o resultado é esse, fora isso sabemos que o salário de um profissional médico não é dos mais baixos, some-se a crise na saúde com a crise geral em nosso país e está feita uma receita de bolo para um grande problema, infelizmente não vejo uma saída a curto prazo, nosso país está de mal a pior, infelizmente a tendência não é nada boa para nosso futuro…

  2. Gente isto e uma vergonha, um desrespeito com a populaçao serrana, os governos tanto municipaias quanto estadual deixarem isto acontecer a esta instituiçao tao importante parava regiao serrana e estado de Santa Catarina.
    Os profissionais da saude, que com tanto carinho dedicam suas vidas ao atendimento da populaçao inclusive a politicos , e chicante ver esta situaçao que se arrastam ha varios anos, deste modo penso que com tantos impostos que pagamos e impossivel nao repassar recursos e pagar a conta da saude.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here