2018: Catarinense será de pontos corridos

3
174

Campeonato Catarinense de 2018 será disputado em formato de pontos corridos, mas ainda existe a possibilidade de realização de semifinais e finais. A decisão foi tomada pelos dez clubes que disputarão a Série A em reunião realizada na sede da FCF.

CALENDÁRIO DE 2018

O campeonato começará no dia 17 de janeiro e vai até 8 de abril. Todos os clubes se enfrentarão em turno e returno, totalizando 18 rodadas. A FCF tentará com a CBF a liberação de pelo menos uma data extra para a competição. Se a liberação ocorrer, essa data adicional será usada para a final entre os dois clubes com maior pontuação.

VAGAS PARA COPA DO BRASIL

O Estadual também colocará em disputa três vagas para a Copa do Brasil de 2019. A quarta vaga a que Santa Catarina tem direito na competição nacional ficará para o campeão da Copa Santa Catarina. Os dois clubes com pior pontuação ao fim de 18 rodadas serão rebaixados para a Série B de 2019.

O Inter de Lages foi representado na reunião pelo presidente Cristopher Nunes. O dirigente colorado foi um dos defensores do formato de confronto de todos contra todos.

COMPARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Esta imensidão de dirigentes avalizam tudo que é discutido, não leem as regras e depois no
    decorrer do campeonato vão reclamar que foram prejudicados pelas arbitragens. Nosso inter carece de investimentos, mas ainda não sei o que o Cristopher faz em Lages, alguma missão celestial, alguma vantagem para o time de órgãos públicos, alguma promessa feita, mas admiro a tenacidade deste rapaz em continuar a manter um time em uma cidade que não gosta de futebol e até em espetáculos grátis não vai.

  2. Acabei de ler um portentoso discurso de Loreno Siega em sua Revista Visão, retratando a nossa Lages e com uma visão crítica do quanto estamos regredindo em face de um orgulho sem igual, seu texto a maior parte dos bloguistas não fariam, principalmente por medo e retaliações em uma cidade ainda dominada por poderosos e que se locupletam em cima de um povo simplório e que nem imagina em qual cenário está inserido. O que faz uma classe média que não contribui em nada para a cidade, mas rechaça o que é feito de bom, uma classe média que congrega 10 mil para saírem as ruas contra Dilma e que agora ficam em casa batendo palmas pelos vários aumentos de combustíveis e gás de cozinha, será que não gostavam do PT e agora aceitam tudo, párias da imbecilidade, por isso não me admiro com as rifas, jantares se proliferando na cidade para manter instituições de apoio, vergonhoso, nossa cidade empobrecendo a olhos vistos, estive na cidade no feriadão e nos causa tristeza, o desleixo e a quantidade grande de pessoas pedindo esmolas nas ruas, quem sabe para esta classe média fascista isso seja um colírio para os olhos, estão falindo mas estão alegres. Obrigado Loreno por nos mostrar que existe uma parcela da imprensa lageana que ainda não é controlada pelos donos da cidade.

  3. Eu sou um crítico ferrenho da administração municipal, tanto dessa quanto a anterior, mas sou Lageano e tenho orgulho disso, morei alguns anos fora e nunca falei mal de Lages, até parece que pobreza só tem em Lages, tem pessoas que talvez por mágoa ou recalque tem prazer em falar mal daqui, quem sabe Florianópolis e às tantas cidades por aí sejam a oitava maravilha.
    Também não gosto do PT, do PSDB, do PSD, PP e de todas as siglas que acolhem e protegem CORRUPTOS e ladrões.
    Infelizmente do jeito que a situação está, só uma intervenção militar poderia resolver, destituir todos os poderes e começar tudo novamente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here