Erros atrasam liberação do corpo de menino

0
715

No grupo interno de troca de informações e pautas da Clube FM o colega Daniel Goulart faz um relato absolutamente triste. Trata-se da lamentável ocorrência que resultou na morte do menino Pedro Henrique Padilha, 14 anos. Ele jogava futebol com colegas no bairro Santa Mônica. Por volta das 15 horas da segunda-feira, 04, ele deixou o campo para tomar água. Acabou sofrendo um mal súbito e vindo a óbito no local.

DEMORA E DEMORA

Além da lamentável fatalidade, aumentou a tristeza e inconformismo de amigos e familiares a demora dos procedimentos. O corpo do menino ficou estendido no local desde o momento do ocorrido (pouco após as 15h) até depois das 18 horas. Bombeiros estiveram no local onde permaneceram à espera de técnicos do IGP. Porém, perto das 18 horas o IGP informou que, por se tratar de morte natural, não precisa de perícia técnica, cabendo ao serviço funerário a remoção do corpo. O pessoal do IGP não está errado nessa interpretação. O problema foi a demora para informar isso.

CALVÁRIO PARA LAUDO

Passava das 7 da noite e o colega Daniel Goulart recebeu a ligação dos familiares do menino. Estavam desesperados. A funerária levou o corpo ao Pronto Atendimento para que o médico desse o laudo da causa mortis. A atendente encaminhou o caso para o Hospital Seara do Bem. Lá no hospital disseram que precisava procurar a Unidade de Saúde do bairro onde o menino morava. O próprio Daniel Goulart foi ao Hospital Infantil, onde não foi atendido.

SOLUÇÃO COM A SECRETÁRIA

O comunicador da Clube FM fez contato coma Secretária Odila Waldrich (Saúde) que orientou para levar o corpo do menino ao Pronto Atendimento. Há um decreto apontando que, nesses casos, um médico plantonista emite o laudo. Isso ocorreu e às 21h15min o corpo foi liberado aos familiares para o velório. “Quase seis horas com a criança para cima e para baixo”, lamentou com razão Daniel Goulart. Nesse caso a Secretária Odila interferiu e corrigiu porque, quando o Posto de Saúde do bairro está fechado, cabe ao Pronto Socorro a providência.

Colegas de Pedro Henrique aguardando o desdobramento, enquanto o corpo do menino permaneceu 3 horas à beira do campo de futebol. Uma CVO – Central de Verificação de Óbitos em Lages iria superar toda essa situação de demora que tanto angustia familiares quando da perda de um ente querido.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here