Protesto: Bairro Guarujá quase em pânico

1
2544

Os números do ano passado são preocupantes. Foram 104 arrombamentos seguidos de furto, 12 tentativas de assalto e outros 11 assaltos realizados e mais 6 tentativas de sequestro. Números que deixam uma população estimada em 15.000 pessoas numa sensação de insegurança constante. Trata-se do bairro Guarujá e suas imediações. Diante de tal realidade, está programada para este sábado à tarde um protesto.

QUANDO E ONDE?

O manifesto está previsto para às 15h, com saída na rua Dias Velho, em frente à escola Pinto Sombra. Segundo o presidente da Associação de Moradores, Luis Borges, ocorrências como furtos, arrombamentos e até mesmo assaltos à mão armada têm se tornado corriqueiro na região.

PALAVRAS DO PRESIDENTE BORGES

“A base da PM foi desativada há três anos e, desde então, as ocorrências têm sido cada vez mais freqüentes e os moradores e comerciantes se sentem acuados, de mãos atadas. As pessoas estão com medo de andar pela rua à noite. Os comerciantes estão fechando suas lojas mais cedo e a sensação de insegurança aumenta a cada dia. Queremos dar um basta nisso e vamos reivindicar pela nossa segurança, como direito de todo cidadão”.

Imagem exclusiva para a página do bairro Guarujá, a partir dos trilhos da linha férrea, que clama por maior segurança diante da realidade em números incontestável de ocorrências em 2017

Compartilhar a matéria

1 COMENTÁRIO

  1. No Facebook me digladiei com alguns integrantes desta associação e é claro que o pensamento que temos não combina com um senso comum da maior parte da população, seja pela cultura ou por informações que deveriam serem relevantes, com a minha facilidade em expor o problema para eles me deparava com a dificuldade do entendimento. é tácito, se polícia resolvesse todos os problemas sociais com o simples ato de prender, Lages, o Brasil e o mundo seriam uma maravilha ou paraísos. Pobres e usuários de drogas não nascem em arvores, nascem em Lages, uma cidade com índices de IDhs os mais baixos do Estado e pobres de direita, pobres que se acham elites e negam o auxilio os mais básicos para estas famílias. Em síntese vão ficar desfilando a vida toda pois em Lages não há políticas públicas para auxiliar as camadas pobres dos bairros e a maior parte dos líderes dos bairros estão mais preocupados em política para ganharem cargos na prefeitura do que pensarem em ações para ajudar a prospectarem aonde surgem os problemas do bairro, finalizando, ignorância, radicalismo e analfabetismo político emperram a resolução destes problemas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here