Mais de R$ 1 milhão para projetos na Serra

11
579

Divulgado resultado do programa Sinapse de Inovação. E a Serra Catarinense emplacou 11 projetos que têm o direito de receber R$ 60 mil de subsídio para tocar a iniciativa, mais R$ 40 mil em bolsas, para mestres e/ou graduados devidamente vinculados à proposta. Isso significa um somatório superior a R$ 1 milhão em investimentos para novos projetos.

E MAIS

Os projetos classificados têm ainda direito a capacitações, contatos para fomentar networking, suporte para desenvolver modelo de negócio, entre outras oportunidades.

PARTICIPAÇÃO DO ÓRION

O Órion Parque Tecnológico teve participação nesta conquista. Dos 21 projetos da Serra Catarinense aprovados para a terceira e última fase antes da classificação final, 16 deles (76%) tiveram ajuda do Gênesis – o núcleo de Projetos, Negócios e Propriedade Intelectual do Órion Parque Tecnológico. Dos classificados finais da região, o Órion auxiliou seis dos 11 projetos.

DO QUE ESTAMOS FALANDO?

Proposta do Sinapse é fomentar propostas de empresas catarinenses, que apresentem projetos de desenvolvimento de produtos ou de processos inovadores, que transformem ideias em empreendimentos potencialmente sustentáveis e que incorporem novas tecnologias aos setores econômicos relevantes para o Estado de SC.

LISTA DOS CLASSIFICADOS

DA SERRA CATARINENSE

No descritivo do projeto uma ideia daquilo que está sendo proposto e que colocou Lages entre as três cidades com o maior número de iniciativas inovadoras em SC

Observe que Tecnologia de Informação predomina, juntamente com Eletrônica, mas as temáticas incluem também Gestão, Biotecnologia e Tecnologia Social

 

SABE O QUE O COLÉGIO UNIVEST E

A UNIFACVEST TÊM EM COMUM?

ENSINO DE QUALIDADE

Colégio Univest está com matrículas abertas para o ano letivo de 2018. E no Centro Universitário Unifacvest você faz curso superior de qualidade. Informe-se sobre promoções para servidores públicos municipais e comunidade em geral. Venha para o segundo melhor Centro Universitário do País.

Ensino Infantil, Ensino Médio, Graduação, Pós-graduação e Mestrado. Formação com qualidade e valores que cabem no seu orçamento e de sua família. Informe-se aqui!

COMPARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

  1. Bem, se os produtos e processos são inovadores, por que eles precisam de $$ estatal?

    O grande empresário Lageano (ou um grupo deles) não poderia realizar o financiamento?

    Onde está a figura do “Investidor Anjo” (presente no Vale do Silício)?

    • Paulo, em Lages, os empresários, quase 100% de direita – inclusive os micro – só querem investimento estatal, e vivem pregando desestatização.

  2. Me diga seu Paulo, de onde veio o GPS, a Internet, a computação, veio tudo do Estado, é ele que fomenta a inovação, a Iniciativa Privada não fomenta nada, apenas colhe e diz que foi ela quem fez.

  3. uma coisa é montar uma empresa qualquer, um mercadinho, uma transportadora, uma revenda de carros, outra coisa é fazer um produto e lançar no mercado, o primeiro caso geralmente só depende de dinheiro, o segundo, tem que ser ninja, coisa que pouca gente é.

  4. Paulo, toda a infraestrutura basal da tecnologia foi de iniciativa do Estado, por exemplo hoje você usa o GPS que a google usa no google maps e outros, no entanto os satélites foram postos no espaço com dinheiro público americano e não com a google que nem existia. Foi o Estado que proibiu a IBM de produzir o “dos”, de modo que foi ele que criou por tabela a Microsoft. Tanto que o Clinton queria dividir a Microsoft em duas, então esta visão unitária de dizer que a iniciativa privada é o motor do progresso é uma visão no mínimo tendenciosa e fora do âmbito de uma análise crítica da realidade. Outro exemplo, o tcp-ip, que move a internet hoje, foi de iniciativa do exército americano, o microondas foi descoberto pelos radares, o pro-álcool brasileiro foi de iniciativa do Estado, é só pesquisar a fundo e verá que o grosso da pesquisa e desenvolvimento vem dos laboratórios do estado e iniciativa privada que é tosca e gananciosa se apodera se dizendo investindo bilhões quando na verdade não é nada disto.

    • Vamos fundo então nessa sua lógica: Foi o estado o criador da eletricidade? Afinal, sem eletricidade, sem DOS ou TCP-IP.

      Teria sido o estado o fomentador da máquina a vapor do Sr. Watt?

      O que o estado faz, como você mesmo disse, é impor empecilhos pro livre progresso.

      Quando utiliza a frase “Outros países”, não distingue o setor estatal do privado. Como se o país em questão fosse apenas uma representação do seu governo.

      Para melhor exemplificar, o setor privado Norte Americano fez muito mais pelo progresso tecnológico mundial do que a URSS (nação 100% estatal, gerida por burocratas).

  5. Paulo, você acredita que outros países não investem nas empresas deles, na verdade é apenas mais uma história. Lages precisa empregar seu povo, de um jeito ou de outro, por exemplo fiquei feliz com uma grande empresa que vem para cá, é mais mil famílias sendo sustentadas, a prefeitura vai doar o terreno e eles vão aceitar, qual é o problema? Não vejo problema algum, mas muita gente vai criticar, vai questionar, vai atrapalhar, no entanto tem muita gente sofrendo, não podendo pagar suas contas e saindo da cidade, se você não se importa, eu me importo, assim como muita gente do poder público se importa, independente de bandeira política.

  6. Seu Paulo, as pessoas que ganharam procuraram este concurso público porque certamente não conseguiram apoios anteriores. Não há tradição da iniciativa privada lageana com tecnologia. É muito raro, é muito primitivismo e é assim porque é e não vai mudar. E também tem empresário lageano que dá muito mal exemplo, que fez fortuna enganando parentes, amigos e sócios (e são ovacionados quando deveriam ser vaiados). Outros transferem as matrizes para SP, emitindo notas por SP, gerando ICMS para SP. Outros transferem as plantas de produção para a China, levando a tecnologia, desempregando aqui. Esta é a nossa iniciativa privada, esta é a nossa cidade. Felizmente vem (se Deus quiser) vem uma empresa de madeira, mas nós perdemos a Batistella, que nasceu aqui e quando foi embora foi-se 800 empregos. Vamos parar com este negócio de dizer que a iniciativa privada é farinha de fazer hóstia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here