Voo: Marião diz que cancelamento é normal

1
204

“Esse pessoal do Ceron está perdido”.

Uma das reações ouvidas por causa da polêmica que envolve a sequência de cancelamentos de voos da Azul por causa da falta de vistoria técnica do Cindacta no equipamento chamado barômetro. A referência se fez à declaração do secretário de Desenvolvimento Econômico, Mário Hoeller, na reportagem sobre o assunto publicada no Correio Lageano. Segundo ele, o cancelamento de voos é normal e não ocorre somente no aeroporto de Lages.

PORÉM

Uma das mensagens aponta que esses cancelamentos são anormais. E poderiam ser evitados se houvesse maior pressão à solução do problema. “Pega uma cadeirinha e senta lá na porta da ANAC e só deixa o local com uma solução”, emenda outra manifestação. Atribui-se essa tarefa à Prefeitura de Lages que é a proprietária do aeroporto.

PAPEL DO PAÇO

O prefeito Ceron insistiu que aquilo que estava ao alcance do poder público foi feito. Mas quem acompanhou a viabilização do voo, através da articulação da administração anterior, discorda disso. “Cabe à prefeitura liderar o processo e resolver a questão. A Azul só não desistiu do voo porque ele é viável. Mas se perdermos, será difícil retomar”.

O assunto relacionado a falta de voo por instrumento em Lages repercute porque dependeria apenas de uma vistoria in loco de técnico do Cindacta. Algo que se espera há mais de 60 dias.

A PROPÓSITO DOS PROPÓSITOS

Cassiano Ricardo dos Santos que entende bem mais sobre essas questões de pousos e decolagens, escreve ali nos comentários e a gente puxa para cá:

“Sim Marião, cancelamentos, desvios, alternar aeroportos são normais no mundo todo. Ocorre todos os dias. Porém, normalmente ocorrem quando não há a mínima condição [inclusive para aproximação por instrumentos]. Veja, os mínimos meteorológicos para voos VFR [visual] é de 1500′ [para aeronaves turboélice e jato]. O procedimento de aproximação RNAV [aproximação por instrumentos] homologado para nosso aeroporto tem o mínimo de 400′. Ou seja, somente abaixo desses mínimos estaria impossibilitado o pouso. Contudo, o METAR de ontem indicava teto entre 700′ e 800′ e, na hora da chegada da aeronave da Azul estava em 1000′. Possibilitando [caso estivesse tudo de acordo] o pouso por instrumentos.

Deveria sim ter alguém todos os dias exigindo a vistoria e a verificação se está tudo dentro das normas no aeroporto. Mas, como certa vez ouvi, ‘o aeroporto dá prejuízo. Temos aeroportos bons por perto, tais como Curitiba e Porto Alegre‘. Pois é, mas deixa pra lá”.

Compartilhar a matéria

1 COMENTÁRIO

  1. Sim Marião, cancelamentos, desvios, alternar aeroportos são normais no mundo todo. Ocorre todos os dias.
    Porém, normalmente ocorrem quando não há a mínima condição [inclusive para aproximação por instrumentos]. Veja, os mínimos meteorológicos para voos VFR [visual] é de 1500′ [para aeronaves turbohélice e jato]. O procedimento de aproximação RNAV [aproximação por instrumentos] homologado para nosso aeroporto tem o mínimo de 400′. Ou seja, somente abaixo desses mínimos estaria impossibilitado o pouso. Contudo, o METAR de ontem indicava teto entre 700′ e 800′ e, na hora da chegada da aeronave da Azul estava em 1000′. Possibilitando [caso estivesse tudo de acordo] o pouso por instrumentos.
    Deveria sim ter alguém todos os dias exigindo a vistoria e a verificação se está tudo dentro das normas no aeroporto.
    Mas, como certa vez ouvi, “o aeroporto dá prejuízo. Temos aeroportos bons por perto, tais como Curitiba e Porto Alegre”….
    Pois é… mas deixa pra lá….

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here