Timber by EMSIEN-3 LTD
Blog Page 3

0 846

Na tarde desta terça-feira (18), o laboratório do CAV/UDESC deixou de receber o malote remetido para análises de DNA. O Instituto Paternidade Responsável é quem fazia a logística dos testes repassada pela Comarca de Lages, oriundos das Comarcas de Santa Catarina. Os exames pararam em Lages, pelo fato da Secretaria de Estado da Saúde não renovar o convênio 36/2007 que expirou em 11/04/17. “Quem perde é a população que não tem condições de pagar pela realização do exame particular”, diz a presidente do IPR, Rita Medeiros.

O comunicado da suspensão das atividades por causa da Secretaria de Estado da Saúde


IDEIA DA DIMENSÃO DO TRABALHO:

MAIS DE 13 MIL LAUDOS DE DNA

Nestes 10 anos de convênio 17.355 kits foram enviados para as Comarcas. Destes, já atendeu cerca de, 14.191 casos. Ao todo 13.763 laudos foram entregues.


CONVÊNIO COM VÁRIOS ENTES

O Tribunal de Justiça firmou o Convênio nº 36 de 12 de abril de 2007 com o MP de Santa Catarina – Procuradoria-Geral de Justiça; a Secretaria de Estado da Saúde; o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado de Santa Catarina – COSEMS/SC; a UDESC; a FIEPE/CAV e o Instituto Paternidade Responsável, visando estabelecer parceria para a realização dos exames de DNA para o reconhecimento de paternidade nos procedimentos administrativos e judiciais em que fique comprovada a hipossuficiência de recursos das partes.

Colaboradores do Instituto Paternidade Responsável sem essa parceria que durou 10 anos com o CAV-UDESC de Lages

0 134

Alunos, professores e funcionários da Escola Santa Helena, localizada no bairro de mesmo nome, o mais populoso da cidade, organizaram um ato de apoio ao Internacional na semana do confronto contra o Avaí, pela última rodada do estadual. Uma vitória colorada assegura a permanência do clube na elite do futebol catarinense.

A iniciativa nasceu como um trabalho de aula de alunos do nono ano sobre a história do Inter, mas se transformou em uma mobilização da comunidade pela manutenção do clube na Série A.

O mascote Leão Baio e os jogadores Neto Volpi, Jefinho, Michel Schmöller e Marquinhos participaram do evento.

Com faixas com os dizeres nós não vamos deixar cair! aplausos e fila para ganhar autógrafo dos atletas, os estudantes reforçaram a corrente de apoio à equipe.

O Inter enfrenta o Avaí neste domingo, às 16h. Os ingressos promocionais para a partida já estão à venda na loja do clube por R$ 15 (arquibancada descoberta), R$ 20 (coberta) e R$ 30 (cadeiras). Na compra de um ingresso, o torcedor leva outro.


Imagens e informações: Assessoria do Inter de Lages


APELO EM VÍDEO

Erlon Joe, Zezé, Tuca que dá vida ao mascote do Inter e a musa do colorado Suelen Chaves reforçam o pedido de apoio ao Inter!

3 637

Revitalização do Mercado Público de Lages será viabilizada com recursos do Governo do Estado e contrapartida do Município. O projeto da obra, esta orçado em cerca de R$ 10 milhões. A ideia foi definida a partir de um concurso que atraiu arquitetos de todo o país. Idealizado pelo então secretário Jorge Raineski, o concurso teve várias propostas, sendo aquela de Vitor Zanatta e Vinícius Figueiredo a vencedora do certame.


ENTRETANTO

Para se adequar aos recursos financeiros disponíveis, a Seplan solicitou aos autores do projeto algumas adequações. Para discutir as mudanças, os arquitetos estiveram reunidos com o secretário Clayton Bortoluzzi. Foram analisadas a adequação do estacionamento subterrâneo e dos materiais da estrutura de cobertura. Dos R$ 18 milhões previstos inicialmente para execução do projeto, a Prefeitura dispõe de R$ 10 milhões através do Governo do Estado.


PARA REDUZIR CUSTO

Segundo Bortoluzzi, são detalhes que na atual conjuntura encarecem muito o projeto, mas a intenção é seguir a proposta elaborada pelos vencedores do concurso. “Assim que estivermos de acordo será lançado o edital de licitação.”

Há um cuidado enorme para deixar claro que não significa que o projeto não era bom. Pelo contrário, é excelente. O problema está no custo. Um estacionamento subterrâneo com saída na Avenida Carahá é arrojado e inovador. O problema é o custo disso…

Como os autores do projeto Zanatta e Figueiredo (Ao fundo) elaboraram o projeto, cabe a eles a adequação até para que um profissional estranho aos traços e à concepção da ideia não interfira na criação de ambos



CONSTRUTORA TERRA APRESENTA

O RESIDENCIAL CENTENÁRIO

Use seu FGTS para dar de entrada. Negocie e deixe de pagar aluguel. Conheça os valores e as condições de financiamento para adquirir uma unidade no Residencial Centenário.

Visite o portal e se informe sobre as opções e financiamento, através da Caixa. Poucas construtoras conseguem autorização para financiar pela Caixa. Ligue para a Terra Engenharia ou no (49) 99162 6278

1 398

Procon de Lages deve iniciar campanha junto ao comércio local para deixar ainda mais claro os valores dos produtos para o consumidor, especialmente nas vendas a prazo. O Executivo do Procon,  Júlio Borba, esteve na CDL para tratar deste e outros assuntos. A legislação que estabelece as formas de divulgação dos valores dos produtos à venda já existe. A ideia fazer com os empresários compreendam e sigam as orientações conforme diz a lei.

Executivo do Pronto no diálogo na CDL com a presidente Rosani Pocai e outros lojistas


ASSIM

Júlio explica que tanto os valores dos produtos pagos à vista quanto a prazo devem estar óbvios para o consumidor. “É um direito do comprador saber o valor total daquilo que pretende adquirir, e não apenas o valor da parcela, por exemplo”. Na campanha, o Procon pretende trabalhar primeiro com orientação aos comerciantes.


DEMANDAS NO PROCON

Em relação ao comércio local, o executivo reforça que o Procon recebe eventuais reclamações. “A maior parte das nossas demandas é das grandes de lojas de departamentos e de telefonia”, explica.  Os problemas com os sistemas de telecomunicação também são enfrentados pelos empresários. “O Procon se dispõe a fazer um atendimento preliminar aos comerciantes porque tem vários canais para encontrar a resolução para muitas questões e com mais agilidade”.


Informações: Catarinas Comunicação

1 1987

Antes de participar de audiência na Secretaria do Tesouro Nacional, na tarde desta terça-feira, 18, o governador Raimundo Colombo falou pela primeira vez sobre as acusações por parte de executivos da Odebrecht:

“Nós vamos esclarecer todos os fatos, ponto por ponto, e vamos continuar nosso trabalho com muita fé, com muita coragem, para Santa Catarina se desenvolver e continuar enfrentando a crise com sucesso e vencendo as dificuldades”.


MOMENTO DE DOR

“É um momento difícil, de dor e sofrimento, mas a gente precisa ter força, aumentar a nossa fé, para continuar prestando serviço. Até porque a vida dos trabalhadores continua e eles precisam que a gente cumpra o nosso dever perante a gestão pública. Vamos continuar trabalhando até o último dia para realizar o melhor trabalho e com a mesma intensidade”.


‘NÃO HÁ DESONRA NISSO’

Colombo ressaltou que ainda não tinha acesso ao processo, portanto não conhecia as informações oficiais da acusação. Um advogado contratado pelo governador já está acompanhando os trâmites legais. Mas somente se a denúncia não for arquivada e o STJ decidir abrir o inquérito para investigação, o governador poderá fazer uma defesa formal para qualquer acusação apresentada:

“Se houver abertura de inquérito, não há desonra nisso. Vamos esclarecer os fatos, levar toda a contraprova, levar todos os nossos argumentos. Eu não sei como é que isso vai tramitar, mas eu estou à inteira disposição para esclarecer todos os fatos como é do meu dever e farei isso”.


NADA COM A ODEBRECHET

O governador explicou que chegou a encontrar executivos a Odebrecht, uma vez em um aeroporto em São Paulo, e outras em reuniões com outros empresários e representantes do governo catarinense em Florianópolis:

“O Governo do Estado recebeu centenas de empresas, do Brasil e do exterior, e todas foram bem recebidas. Sempre estávamos acompanhados de mais gente do governo para tratar de assuntos que fossem importantes, e tivemos sucesso em muitos dessas reuniões. A Odebrecht era uma das maiores empresas do Brasil e o fato de recebê-las era um ato absolutamente normal e praticado pelo governo com todas as outras, inclusive do próprio setor. O mais importante de tudo é que o Governo do Estado não vendeu nenhuma ação da Casan para a Odebrecht, não tem contrato com a Odebrecht, não realizou nenhum pagamento para eles”.


SOBRE A CASAN

Em relação ao interesse da Odebrecht pela Casan, o governador voltou a afirmar que nunca houve qualquer negociação no sentido de vender a estatal catarinense para o grupo empresarial. Quando assumiu o primeiro mandato como governador, chegou-se a criar uma lei prevendo que qualquer processo venda da estatal deveria ocorrer obrigatoriamente por leilão na bolsa, o que evitaria qualquer tipo de favorecimento. No entanto, diante de significativas dívidas trabalhistas e previdenciárias da Casan registradas na época, o Governo do Estado descartou a possibilidade de venda.

Colombo falando a jornalistas em Brasília sobre as questões relacionadas à Odebrecht

2 252

Uma técnica em enfermagem que recebia auxílio doença deixou de comparecer à perícia convocada pelo INSS e justificou a ausência argumentando que a agenda coincidia com seu horário de trabalho. Ou seja, ela recebia o benefício porque não poderia estar trabalhando. Entretanto, não só estava trabalhando como impossibilitada de ir à perícia por causa disso. A grávida que recebia auxílio doença fazia 12 anos, outra mulher que não conseguia andar, mas que ao deixar a perícia se livrou da cadeira de rodas e conduziu o próprio veículo.


UM TERÇO POR DECISÃO JUDICIAL

Todos casos são resultantes do pente fino que o INSS vem fazendo nas perícias de pessoas ‘encostadas’ – que recebem o benefício de auxílio doença. Os dados chamam atenção em percentuais. Segundo o INSS, ao todo 31% daqueles que recebem auxílio-doença e outros 34% que recebem aposentadoria por invalidez, têm acesso ao benefício por decisão judicial e não por análise clínica através de um médico perito.


EM ÂMBITO NACIONAL

Das 87.517 pessoas que se submeteram a perícia, 73.352 (84%) tiveram os benefícios cassados. Outras 11.502 não compareceram para reavaliação e, por isso, deixaram de receber os auxílios. “Oitenta e quatro por cento das pessoas que estão no auxílio-doença há mais de dois anos são saudáveis e por isso que foi cancelado o benefício”, aponta o Secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame.


HÁ CASOS DE ‘INJUSTIÇA’?

Em Lages há reclamações de que as perícias estão dando alta a todos, indistintamente. Na verdade se trata de uma reclamação que não contém verdade absoluta. Como tem prevalecido a tentativa de enganar a perícia, utilizando truques diversos, os peritos, optam pela alta (fim do benefício). Há casos de pessoas, durante perícias, que utilizem de diversos truques para demonstrar doenças. Vão desde situações de não tomar banho por longo tempo que antecede a perícia (para evidenciar desinteresse pela vida, depressão) até o consumo de medicação inadequada que altera o estado clínico, na tentativa de conseguir ou manter o benefício.

Sempre considerando que no meio de alguns que tentam dar golpe, há aqueles que de fato precisam do benefício de auxílio doença, assim como tem caso em que se recorre ao Judiciário, por motivo pertinente e devidamente comprovado como de direito

0 474

Essas pessoas têm um líder religioso e amigo em comum. Trata-se de Dom Oneres Marchiori, o Bispo Emérito de Lages, que por longos anos administrou a Diocese. Na noite de segunda-feira, 17, os fiéis foram à Catedral de Lages participar da celebração  que homenageou o religioso

Acompanhado do Administrador Apostólico, Dom Nelson Westrupp (esquerda), Dom Oneres comemorou nessa celebração os 40 anos de ordenação episcopal

Lúcido, atento e prestativo, Dom Oneres comando a celebração acompanhada por mais de uma dezena de párocos da Diocese

Dom Oneres recebeu a ordenação episcopal no dia 17 de abril de 1977. Quarenta anos depois aí está o religioso praticando a fé a cumprindo sua missão



UM GESTO SIMBÓLICO

Homem de muitos diálogos, Dom Oneres é admirado por todos que…

…na humildade da atuação, buscam o abraço amigo do religioso!


Imagens: Zé Rabelo

2 407

Governadores Colombo (SC) e Sartori (RS) devem entrar no circuito para referendar a proposta de federalização da chamada rodovia Caminhos da Neve. A estrada se propõe a ser uma via de escoamento desde a Capital Catarinense até a Serra Gaúcha, passando por São Joaquim. O maior problema do traçado é o lado gaúcho da rodovia, entre o Rio Pelotas e o município de Bom Jesus. Há até um mosaico mostrando a situação…

Esse mosaico foi feito na época da Copa do Mundo e mostra o contraste de problemas enfrentados por usuários do lado gaúcho da estrada Caminhos da Neve



REUNIÃO EM SÃO JOAQUIM

Lideranças da região colocaram a questão da federalização da estrada na pauta. Atualmente o trecho estadual começa a BR-282 (trevo de acesso a Urubici), passa por São Joaquim e segue em direção à fronteira com o RS. O Exército pavimenta um trecho na saída de São Joaquim. A ideia seria transferir esse pedaço de estrada para o Governo Federal. O assunto esteve na pauta da reunião realizada em São Joaquim com a participação do secretário Murilo Flores (Planejamento) e a deputada Carmen Zanotto.

Presidente da Amures, Luiz Carlos Xavier (ao microfone) e prefeito Giovani Nunes (São Joaquim) na reunião sobre a federalização da estrada Caminhos da Neve


COMO FICARIA O TRAÇADO

INTERLIGANDO FLORIPA E SERRA/RS

Aqui uma ideia da rodovia, desde Floripa, seguindo pela BR-282 até Urubici. Ali começaria o trecho federalizado, passando por São Joaquim, atravessando o Rio Pelotas, saindo em Bom Jesus, São Chico de Paula, Canela e Gramado


AÇÃO PARLAMENTAR

A deputada federal Carmen Zanotto assumiu ainda, o compromisso de agendar um encontro entre as bancadas parlamentares catarinense e gaúcha para avaliar o melhor caminho político para uma solução ao impasse que se arrasta há anos. A proposta de federalização é defendida pelas lideranças do Rio Grande do Sul como a melhor saída para que as obras aconteçam do lado gaúcho.

Carmen quer parlamentares de SC e RS discutindo a federalização da rodovia para que a obra possa ser concluída


Imagens: Zé Rabelo e Onéris Lopes