Cotidiano

Sugestão: Medicamentos aonde o povo está

Procurando fugir do fogo cruzado que marca o retorno à peleia legislativa deste ano, vereador Lucas Neves (PP) foca a linha propositiva. Nesse sentido, além da cruzada para conseguir seis assinaturas para fazer tramitar o projeto de redução do número de vereadores (de 16 para 12), ele encaminhou expediente ao Executivo. Ilustra e detalha o projeto existente em cidades como Maringá/PR onde é feita a entrega de medicamentos através de uma farmácia móvel.

DETALHAMENTO

Trata-se de uma iniciativa que contemplaria aqueles medicamentos da farmácia básica que as pessoas teriam acesso (como têm atualmente) através do receituário médico. “A operacionalização ocorreria através de calendário para os bairros e distritos, para que os munícipes possam acompanhar e retirar os medicamentos mais próximos possíveis de suas residências”.

LUCAS JUSTIFICA

“Isso facilitaria a vida das pessoas com dificuldade de locomoção, especialmente casais de idosos ou até idosos sozinhos, que não tem como sair de casa e são carentes. Muitas vezes a passagem de ônibus ou táxi sai mais caro que o medicamento, então, por conta disso muitas pessoas até deixam de tomar esses remédios de uso contínuo”.

A ideia tem pertinência, considerando que seria oportunidade da área de saúde ir ao encontro das pessoas que busca medicamentos, reduzindo inclusive a demanda de atendimento na farmácia básica

 

TERRA IMÓVEIS TEM UNIDADES À VENDA

DO LOTEAMENTO PARQUE DAS ARAUCÁRIAS

Pegamos no perfil da MSM Imagens Aéreas esse registro que mostra o loteamento mais próximo à área central de Lages cujas obras de implantação estão a todo vapor.

Assim conciliamos o compartilhamento de um registro magnífico da cidade nas lentes da MSM Imagens Aéreas e lembramos você que nenhum loteamento devidamente estruturado é tão perto do Centro quanto o Parque das Araucárias!

Compartilhe

2 comentários para: “Sugestão: Medicamentos aonde o povo está”

  1. Por que não aproveitar as Agentes Comunitárias de Saúde? Já que elas vão todo mês nas casas….o trabalho das ACS seria mais produtivo.

  2. “encontro das pessoas que busca medicamentos, reduzindo inclusive a demanda de atendimento na farmácia básica…”
    Pq não se busca então complementar e euipar as farmácias dos postos de saúde nos bairro.
    Já tem estrutura , equipe e viabilidade.
    Frota nova para o transporte ( detalhe se houver medicação que exija refrigeração, tudo muda) , contratação de motoristas, me surge outra pergunta qntos veículos serão necessários para esses serviços?

    Nada contra e tbm nada a favor .
    Acredito que os bairros possuem estruturas públicas _ postos , equipe PSF e os agentes de saúde .
    As equipes em sua maioria conhecem os pacientes e particularidades de cada um , no que se refere ao uso continuo de medicamento x morador.

    Ao meu ver : mais despesas, ele deveria pensar em propor ou elaborar um programa municipal de incentivo e valorização às equipes do PSF em suas tarefas.

Deixe uma resposta para Rosane Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *