Cotidiano

Trânsito e as ‘atravessadas’ no Stock Center

SITUAÇÃO CAUSA TRANSTORNO NAS IMEDIAÇÕES

O CTB – Código de Trânsito Brasileiro é claro: antes de se autorizar empreendimento condutor de tráfego e trânsito intenso, é preciso estudo de impacto. Mas a Prefeitura de Lages nos tempos dos gestores anteriores, não se teve tal preocupação ao autorizar a instalação do Stock Center em área residencial no bairro Sagrado Coração.

CONSEQUÊNCIA DISSO

De lá para cá tem sido uma sequência de transtornos à vizinhanças e àqueles que utilizam as vias de trânsito local. Situação destoa tanto da realidade, que o Ministério Público abriu procedimento, inclusive ouvindo o então secretário Jorge Raineski (Planejamento) sobre o assunto.

PROVIDÊNCIAS

O Atacadão Stock Center precisou até asfaltar e sinalizar as imediações (especialmente um pedaço da rua Hirto Melegari). Houve a proibição de estacionamento de caminhões nas proximidades. Mas as providências (reverencie-se a atuação da Promotoria) resolveram em parte a situação.

MANOBRAS E TRANSTORNOS

Embora os gestores do Stock Center não tenham culpa (porque o município autorizou a implantação do empreendimento no local), o espaço de descarga se situa na Rua Hirto Melegari. E não bastasse a interrupção do tráfego na via quando de manobras, caminhões precisam ir além do espaço da via para conseguir adentrar no local. Exemplo está no registro abaixo.

Eis o caminhão que chegava para descarregar produtos da Coamo, onde o motorista precisou invadir o passeio de pedestre da rua Hirto Melegari no sentido oposto para fazer a manobra. O motorista (e a Coamo) não têm culpa também da realidade que enfrentam. O problema está na origem, quando ignorando a norma (inclusive do CTB), embora sabendo que esse topo de empreendimento poderia ser instalado em qualquer parte da cidade, com mais espaço, autorizou-se a instalação no local.

IMPORTÂNCIA DO ALERTA

Você pode até pensar que nem adiante comentar sobre essa situação, visto que o Stock Center – que gera empregos, é alternativa de compras e dá retorno tributário ao município – não irá sair daquele local. Sim, por um lado é verdade e ninguém deseja que um empreendimento desses deixe de seguir com a unidade. Mas o episódio serve de alerta para que a Prefeitura de Lages atue com mais profissionalismo na hora de autorizar empreendimentos do gênero, analisando impacto de vizinhança e outras questões previstos na norma.

Compartilhe

1 comentário para: “Trânsito e as ‘atravessadas’ no Stock Center”

  1. E aqui no entorno do Fort, porque a prefeitura não autorizou ou não pavimenta a rua ao lado do depósito do Myatã? É retaliação????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *