Economia

1/3 dos empresários demitiram na Serra

Na metade do mês entidades como Acil e CDL – as principais representantes do setor produtivo na Serra Catarinense – informavam sobre o esforço para não causar demissões devido à pandemia. Mas na prática esse ‘esforço’ não se visualizou, com desligamentos ocorridos em vários setores.

POR EXEMPLO

A maior rede de academias de Lages – com três unidades – pelo relato do proprietário no sábado, 18, haviam sido feitos oito demissões. E outras estavam a caminho, por causa das portas fechadas. Talvez isso (daquelas demissões futuras) seja revisto com a abertura das atividades nesta quarta-feira, 22. Entretanto, com o clima de medo que impera, o retorno do fluxo de pessoas a esses ambientes, importantíssimos para a saúde, devem ser mais discreto. O erro foi ter fechado as academias, visto que essas deveriam se submeter a regramentos e não a medida extrema.

PESQUISA SEBRAE

De acordo com os dados do Sebrae/SC na pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 20, aqui na Serra Catarinense um em cada três empresários (33,33%) afirmou ter demitido ao menos dois funcionários nesse período de 30 dias (desde 18 de março).

NÚMEROS DA SERRA

Ainda segundo a pesquisa, somente aqui na Serra Catarinense foram demitidas 18.510 pessoas. Para se ter ideia desse número que representa todos os municípios da Amures, os dados representam quase a metade da quantidade de pessoas com carteira assinada em Lages (leia atualização abaixo).

QUASE MEIO MILHÃO

Ainda segundo a pesquisa Sebrae/SC, o faturamento também sofreu revés aqui na Serra Catarinense. Daqueles que foram entrevistados um percentual de 91,67% dos empresários sofreram com uma queda média de 57% no faturamento. Sim, o faturamento foi mais que a metade. A perda total na região é de R$ 429 milhões.

Os dados já foram concluídos e indicam um reflexo econômico bastante preocupante nos negócios também na Serra Catarinense

ATUALIZANDO E ESCLARECENDO

Coordenador Regional do Sebrae na Serra Catarinense, mesmo no feriado, está atento ao noticiário. Altenir Agostini nos esclarece que o Sebrae considera como Serra Catarinense um quantitativo de municípios além daqueles 18 da Amures. Abrangem geograficamente a Serra para o Sebrae também as cidades das regiões da Amplasc e Amurc, totalizando 29 municípios. Estamos falando, portanto, também de Campos Novos, Curitibanos e municípios próximos.

Compartilhe

2 comentários para: “1/3 dos empresários demitiram na Serra”

  1. Isto é só o começo, qdo não se tem planejamento dá nisso.
    Os aloprados do Palácio deveriam sustentar as famílias que perderam o emprego.

  2. Pois bem, se foram demitidas 18.510 pessoas na Serra Catarinense, só pessoas “tontas” ou “lé lé da cuca” imaginam que essa situação não representará um mal à saúde dos demitidos e seus familiares.

    De igual forma, se 91,67% dos empresários indicam queda média de 57% no faturamento das empresas, só falsos líderes imaginam que essa situação não agravará a economia no estado, não reduzirá a arrecadação, não afetará o governo que buscará apontar “culpados” mas, no fim, são se furtará em destinar o ônus para os cidadãos comuns e ao setor produtivo da iniciativa privada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *