Economia

BR-282: Contraponto ao Rui Alvacir Neto

Rui Alvacir Netto, naquele estilo fofo e ponderado de contradizer alguns conteúdos da página, escreve, com seu jeito peculiar:

“BR-282: CONCESSÃO É BANDEIRA DA SERRA…

Tem certeza? O que diabos leva você a afirmar que o cidadão trabalhador serrano (a imensa maioria) pensa assim? Camarada teu caráter é um enigma que precisa ser estudado pela Ciência. Não é falta de inteligencia. É falta do que? Porque esta leviandade? Esta necessidade permanente de bajular os ‘riscos’?

SEGUE O QUERIDO…

“O que você escreve a seguir é uma imoralidade intelectual, e uma ofensa à inteligencia de quem pensa:

Trecho Lages a Floripa precisa com urgência de terceiras faixas e, se possível, da correção de algumas curvas e determinadas obras estruturantes que somente a concessão conseguirá viabilizar. Um dos problemas hoje é a remuneração do pedágio. A tarifa para duas praças entre a Capital e a Serra, estima-se, custaria mais de R$ 30,00 em cada praça de pedágio. É preciso uma engenharia matemática para adequar isso, reduzindo o custo, mas sem se recolher da ideia”.

RUI, QUERIDO, SENTA AÍ QUE

VOU DESENHAR PARA VOCÊ

Trecho Lages a Floripa precisa de terceiras faixas, certo? Com elas o tráfego pesado recua para as mesmas, permitindo um fluxo mais seguro aos veículos leves sem riscos nas ultrapassagens. Fala-se em pelo menos 20 km de terceiras faixas. Entendeu, querido?

Trecho Lages a Floripa precisa de correção em algumas curvas até para permitir aumentar o limite de velocidade para 100 km/h. Na estrada para São Joaquim foi feito isso, alterando o traçado e tornando a rodovia menos acidentada e mais segura. Copiou?

Trecho Lages a Floripa custaria hoje (estimativa) uns R$ 30,00 cada passagem em praça de pedágio. Seria R$ 60,00 a mais para o motorista se deslocar nesses 215 km. Muito caro, não é mesmo? Hoje seria impossível o pedágio. Daí a necessidade de uma matemática de engenharia para adequar isso. Quem sabe a mesma empresa que vencer na BR-470 ‘adote’ também o trecho da BR-282? Isso é uma hipótese, não é mesmo?

PENSAR PARA OS RICOS?

Rui Alvacir, nativo como a gente deste lado do mundo! Rico não anda de carro cujo ocupante corre risco de morrer num acidente. Eles andam nas super naves modernas e equipadas. Nós, os desafortunados que andamos em nossas carroças que até vento atrapalha. A concessão deixará a estrada mais segura para gente como a gente, gente como você. É a tendência de futuro. É inevitável. Até porque, o governo Bolsonaro, que nem eu e nem você votamos, não tem dinheiro para custear essas melhorias que tornariam a BR-282 mais segura. Como diz Pelé: Entende?

Aquela foto do João Carlos Matias para o contraponto do Rui Alvacir e os nossos pontos sobre a tendência de, futuramente, conceder a BR-282 à iniciativa privada

POR FIM E NÃO MENOS IMPORTANTE

Essas cinco bandeiras hasteadas em Lages não estou defendendo, estamos apenas ‘vendendo’. A concessão da BR-282, a implantação da Usina Paiquerê, o Aeroporto de Correia Pinto funcionando, uma escola militar do Exército e a nova ala do Tereza Ramos funcionando deixariam Lages e a Serra Catarinense bem situada em termos de crescimento.

ASSIM, RUI ALVACIR!

Contrariar que a região tenha essas alternativas de crescimento, especialmente e inclusive a concessão da BR-282, é postura de alguém com caráter duvidoso cuja ciência precisaria estudar. No seu caso não é falta de inteligência, é falta do quê mesmo? Pra que essa leviandade, homi?

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *