Economia

Lages: R$ 18 milhões embaixo do colchão

Tá loco homem! Não deixe seu dinheiro embaixo do colchão. Aplique em letras de câmbio Batistella. A sulista!

Talvez só quem frequenta a faixa dos 50 anos vai lembrar do texto acima. Era repetido pelo Maneca no programa Alma Cabocla da Clube FM incentivando os viventes a retirarem o dinheiro líquido que tinham guardado em casa para aplicar. Os tempos mudaram, não sei se as letras de câmbio Batistella ainda existem. Porém, ainda há muito lageano declarando ao Leão que tem dinheiro guardado ’embaixo do colchão’.

OS DADOS DE 2018

De acordo com levantamento da Receita Federal – a partir da declaração do IR – há um somatório de R$ 18.228.090,83 informados como valores em espécie (notas de reais) guardados em casa por contribuintes somente em Lages. Se você considera o valor alto, saiba que ele já foi bem maior. Na declaração do ano passado o montante guardado em espécie somava R$ 33.327.508,33.

ESSES VALORES SÃO REAIS?

São em reais, mas não saberia dizer se são reais. Se há mesmo gente guardando essa montanha de dinheiro em notas de R$ 100,00 em casa. Há hipótese de manobra contábil para justificar a entrada de valor não declarado ou previsto nas finanças pessoais. Daí se faz essa declaração. Há muita gente, por exemplo, plantando pinus e, inclusive derrubando agora. Se o vivente gastou tipo uns R$ 100 mil para plantar e agora vai arrecadar uns R$ 2 milhões, carece explicar ao Leão. E se ir declarando que tem os pilas guardados, a mordida do fisco pode ser menor!

Lages, dos pinus ali atrás daquele morro – e além do morro – é a quinta cidade catarinense cujos contribuintes mais declaram ter dinheiro em espécie guardado. Curioso que depois de Floripa, Joaçaba é onde tem mais gente que prefere guardar os trocados em casa que colocar no banco. Pelo menos na declaração para o Leão!

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *