Economia

Preço dos combustíveis: Não existe milagre

NÚMEROS MOSTRAM REALIDADE DO SETOR

Antes de mais nada, registre-se que a gente gosta de promoção, de preço baixo, de valor em conta. Ninguém gosta de rasgar dinheiro. Mas é preciso bom senso, conhecimento e lógica nos assuntos, para não aderir ao efeito manada e contribuir para criminalizar um setor que tem sido atacado pelo desconhecimento. Referimos-nos à revenda de combustíveis.

VALE BATATA COMO EXEMPLO?

Pense que você revende somente batatas. E o seu fornecedor lhe entrega o produto a R$ 3,80 o quilo. Você precisa custear ao revender a batata o valor da locação da estrutura onde você opera, o gasto com folha de pessoal que atende seu cliente, ainda o custeio do estabelecimento, impostos e ainda uma margem de lucro. Dai que é economicamente impossível você vender a batata a R$ 3,86 o quilo. Não existe um milagre que permita, com 6 centavos por quilo de batata arcar com todas essas despesas e ainda lucrar. Trocando as batatas pelos combustíveis, é isso que tem prevalecido no ataque aos preços praticados na revenda de gasolina, diesel…

CASO DE PALMEIRA

Empresário Clóvis da Costa está vendendo gasolina a R$ 3,86 o litro em Palmeira. Um único posto, sem concorrente, folha de pessoal baixíssima, sem custo de locação, loja de conveniência movimentada. Desconheço a planilha de custos dele. Talvez esteja recebendo a gasolina no posto da companhia a menos de R$ 3,50. Talvez esteja tendo uma margem mínima de lucro. Talvez esteja empatando na revenda e ganhando na conveniência. Como disse, respeita-se a realidade do referido empresário. Mas a realidade dele não é da maioria dos postos de combustíveis do País, dos municípios da Serra e nem de Lages. E isso não é defesa, mas dados, informação, sem achismo.

NÚMEROS DE LAGES

Talvez o empresário de Palmeira possa fornecer o ticket com o valor que a gasolina chega para ele, para termos ideia melhor da razão do seu preço baixo. Provavelmente negociando preço com fornecedor, porque ele não é bandeirado. Mas em Lages os postos recebem a gasolina dentro de outra realidade. Abaixo uma ideia dos valores que chegaram ontem (dia 9) num dos postos da cidade.

Informo até a Companhia que pratica esse preço ao revendedor: a Shell. Daí perguntamos a você que consegue interpretar a realidade econômica: Como um dono de posto recebe uma gasolina aditivada a R$ 3,82 ou a comum a R$ 3,80 e vai revender a R$ 3,86 – que é o preço praticado em Palmeira. Não tem mistério, nem segredo. Os números são esses e são reais.

INCLUSIVE

Companhias com valores de entrega ainda maior. E ainda aquelas que atrelam o preço ao fato de serem as ‘donas’ do posto. Se tudo fosse uma maravilha como se explicaria postos como o Centenário na Avenida Presidente Vargas de portas fechadas. Ou o Pinheirão sendo demolido?

DISCURSO FÁCIL E INCONSEQUENTE

Novamente vem o vereador Jair Júnior, numa postura de desconhecimento – ele não sabe desses números acima do contrário não argumentaria sobre os ‘elevados preços de Lages’. Bastaria ele dialogar com os donos de postos e pedir os valores que a gasolina chega. Entenderia a realidade. Mas o discurso fácil e inconsequente, porque sabe que nós consumidores nos chateamos ao ver preço mais baixo em outra cidade. E muitos consumidores aderem ao efeito manada dando razão ao vereador e se revoltando com os revendedores. E vem ele disparar ataques a um setor que gera cerca de 700 empregos em Lages – mais do que vai gerar a Berneck.

FISCAIS DO PRONTO CONCURSADOS

Jair Júnior aproveitou para criticar Ceron por não ter feito concurso para contratar dois fiscais para o Procon. Entende que com os dois fiscais não haveria ‘abuso nos preços’. Bobagem. O preço dos combustíveis é livre. Não é tabelado. Jair Júnior disse que está se formando no Curso de Economia. Mas que curso é esse que não ensinou isso para ele? Fiscal do Procon pode conferir qualidade, quantidade e não impor valor a ser praticado. É o tal livre mercado. Adam Smith puro, vereador! É esse tipo de postura que desacredita uma liderança que tem sua importância no contexto dos contrapontos na paróquia.

Vereador Jair Júnior fala em cartel e barganha de apoio a donos de postos em troca de combustível para a campanha eleitoral. Essas práticas são crimes e como advogado ele sabe disso. Denuncia, pede investigação. Mas apenas lançar palavras protegido pela imunidade do parlamento não ajuda a construir ou mudar uma realidade. Penso e respeito o vereador e os seus seguidores que pensam diferente!

Compartilhe

2 comentários para: “Preço dos combustíveis: Não existe milagre”

  1. Fico pensando quanto os donos de posto ali de Santo Amaro pagam no combustível, pois na segunda-feira (06) enchi o tanque com gasolina a R$ 3,56 e subi a serra. Tá complicado abastecer em Lages.

  2. Pois é, no entanto é só pegar a BR e logo vai achar um posto vendendo a 3,80; 3,86. Mas reza a lenda que contra fatos não há argumento, e você apresentou fatos e dados. Mas isso não limita o questionamento: então, o por que diabos a gasolina é entregue em Lages a esse preço? O que explica isso?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *