Economia

Vazio da Soja: Atenção sojeiros da Serra

O Cerrito inverteu e agora produz mais soja que feijão. Lages e Capão Alto passaram a cultivar extensas áreas de sojas para os lados da Coxilha Rica e outros arredores do município. Por causa disso, se o noticiário sobre soja passava antes a lo largo destes recantos, agora carece ficar atento. Então atenção ao trimestre do vazio da soja.

A GENTE EXPLICA

Entre 15 de junho a 15 de setembro não é permitida a manutenção de plantas vivas de soja em crescimento no território catarinense. Esse vazio sanitário surgiu para proteger da ferrugem asiática os cultivos de soja no Estado. Não deve haver soja em estado vegetativo para que o fungo, que causa a ferrugem asiática, e seus esporos não consigam sobreviver e contaminar o próximo plantio.

PERÍODO DE FRIO INTENSO

Cada estado do país pode estabelecer o período mais adequado para o vazio sanitário, de acordo com suas condições climáticas. No caso de Santa Catarina, o frio intenso que ocorre no inverno nas regiões produtoras, normalmente, elimina todas as plantas de soja. Contudo, se isso não ocorrer, é necessário o controle químico por meio de dessecação com herbicidas.

Serra Catarinense aumentou muito a produção de soja. Por isso, os produtores da região devem ficar atentos para que não haja qualquer vestígio de plantação até a metade de setembro

NÚMEROS DA SOJA EM SC

Produção de soja ganha cada vez mais espaço ocupando áreas antes destinadas ao plantio de milho, pastagens e fruticultura. Área plantada no Estado chegou a 669,3 mil hectares nesta safra e a expectativa é de uma colheita de 2,38 milhões de toneladas. Em 2018, o Estado exportou 2,34 milhões de toneladas, um aumento de 900% em dez anos.

Esses descampados na Coxilha Rica produzem predominantemente soja, contribuindo para esse índice de 900% de aumento na produção desde 2009 em SC

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *