Geral

A cruzada contra a maçã chinesa

ECOA ALÉM DAS FRONTEIRAS DA SERRA CATARINENSE A PREOCUPAÇÃO SOBRE A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO À MAÇÃ CHINESA

Secretário de Estado da Agricultura, Valdir Colatto, tem dialogado com membros de entidades que representam a fruticultura catarinense, especialmente a maçã. Nesta semana o deputado federal Ismael dos Santos (PSD), sensível a causa, levou o tema para a Câmara dos Deputados. A pauta se refere à preocupação da abertura de mercado à maçã chinesa. Mais que chegar a preços ainda menores que aqueles baixos já praticados em relação ao produto nacional, a fruta chinesa coloca em risco a sanidade dos pomares brasileiros.

A Facisc e a Associação dos Engenheiros Agrônomos da Serra se unem à Associação Empresarial de São Joaquim e à Associação dos Produtores de Maçã e Pera de Santa Catarina para alertar sobre os riscos da fruta chinesa no mercado brasileiro

LULA NA CHINA

Essa movimentação decorre da agenda do Presidente Lula (que foi adiada, mas vai acontecer) de visitar a China e abrir mercados no Brasil para vários setores da economia daquele País. Por causa de mão de obra barata e não investimento em sanidade de pomares, a China consegue produzir maçã a preços lá embaixo, dificultando inclusive a concorrência do produto brasileiro. A metade da produção de maçã no mundo sai da China.

SOBRE O PREÇO

E antes que o consumidor pense que o fruticultor brasileiro eleva o custo da maçã nacional em demasia, observe-se que o quilo da fruta que você paga R$ 10,00 e até R$ 20,00 no mercado, não guarda relação com aquele que atua na produção no pomar. Nesta safra, via de regra, o fruticultor está conseguindo em média R$ 3,00 pelo quilo da maçã que deixa o pomar. Se o valor é inflacionado, não é o produtor o causador disso, mas a carga de impostos até chegar ao consumidor e outros fatores.

Além de enfrentar as intempéries como granizo, estiagem e ataque de pragas (combatidas com defensivos agrícolas), o fruticultor ainda passa a conviver com o fantasma da maçã chinesa no mercado brasileiro

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *