Geral

A estratégia da defesa de Delfes

EMBORA NÃO CONHECIDO O PEDIDO, EX-SECRETÁRIO TENTOU TRANSFERIR PARTE DA INVESTIGAÇÃO CONTRA ELE À JUSTIÇA ELEITORAL

Embora não seja apenas um delito específico que levou Enori Delfes ao inferno da prisão nos desdobramentos da Operação Mensageiro, numa estratégia da defesa, houve tentativa de que uma das acusações deixasse a esfera da justiça comum e fosse processada na Justiça Eleitoral.

ENTENDA O QUE HOUVE

Uma das acusações que pesa contra Enori Delfes é a promessa de recebimento (e aparente recebimento) de R$ 80.000,00 em quatro parcelas para ajudar a custear despesas de sua campanha a vereador no pleito de 2020. A narrativa da investigação indica exatamente essa situação, embora Delfes não tenha disputado o pleito municipal passado.

E…

É por conta desse valor e propósito de destinação do mesmo (para a própria campanha de vereador) que se tentou retirar da justiça comum para a eleitoral, o processo (ou parte dele), envolvendo o ex-secretário de Meio Ambiente e Serviços Públicos. Não houve guarida, pelo menos por enquanto, pelo que se observa nos autos, em relação a essa solicitação.

Quando da busca e apreensão foram encontrados envelopes, supostamente da entrega de dinheiro pelo mensageiro na residência de Delfes. E ainda um somatório de R$ 48.100,00 conforme o relatório da investigação que gerou a denúncia aceita pelo judiciário contra o ex-secretário. Os registros acima integram a peça denunciativa do MP/SC.

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *