Geral

A maçã exclusiva Made In São Joaquim

NA VERDADE A DENOMINAÇÃO DE ORIGEM ABRANGE AINDA PAINEL, URUBICI, BOM JARDIM E URUPEMA. MAS A FUGI DESSA REGIÃO SÓ EXISTE NESSA REGIÃO DO MUNDO

Instituto Nacional de Propriedade Industrial – INPI – reconheceu e anunciou nesta terça-feira, 03, de agosto, algo que representa um divisor de águas para a produção de maçã para a região alta da Serra Catarinense (Painel, Urupema, Urubici, Bom Jardim e São Joaquim). Numa área de 4.928 km² o INPI considerou que se produz uma maçã única da variedade Fuji e, por isso, os pomares de tais municípios que seguirem a ritualística na produção passam a ter a DO – Denominação de Origem.

SIGNIFICADO DISSO

A Identificação Geográfica dada à maçã dos altos da Serra Catarinense permite agregar valor e reconhece o esforço para se colocar no mercado um produto diferenciado, único e exclusivo. “Uma IG atesta que um produto só tem aquelas características porque é produzido de determinada forma, ou porque tem notoriedade na produção. A Denominação de Origem parte do pressuposto de que as características geográficas (naturais e humanas) dessa região determinam a singularidade e a qualidade do produto”, aponta a explicação técnica sobre essa conquista aos fruticultores serranos.

TRABALHO CONJUNTO

A conquista é resultado de uma parceria desenvolvida pela Epagri, Sebrae, UFSC, com apoio de produtores locais e de outras instituições, como a Cidasc, por exemplo. A solicitação foi apresentada ao INPI pela Associação de Produtores de Maçã e Pera de SC (Amap). A maçã Fuji produzida na região de São Joaquim destaca-se por suas características únicas de cor, formato e sabor. Por isso, ela foi objeto de pedido de IG. A elevada altitude da região delimitada pela IG (acima de 1.100 metros) é fator determinante para essas diferenciações.

ENTENDA OS DIFERENCIAIS

Mariuccia Schlichting de Martin, pesquisadora da Estação Experimental da Epagri em São Joaquim, explicou que acima de 1.100 metros de altitude existe uma maior probabilidade de ocorrência de pelo menos 700 horas com temperatura do ar abaixo de 7,2°C no inverno. Segundo ela, essa quantidade de horas de frio leva a uma boa indução natural da brotação e do florescimento, que irá resultar em frutos maiores, mais arredondados e com menos defeitos físicos.

A maçã da variedade Fuji produzida na Serra Catarinense é única e por isso recebe uma certificação exclusiva de Denominação de Origem

A produção de maçã requer muito mais que colocar as mudas na terra. É preciso preparo antecipado do solo, demarcação de área, planejamento, enfim, uma série de estágios até se chegar à produção que ocorre alguns anos depois dos investimentos

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *