Geral

Anulado o ‘pecado’ do impeachment

GOVERNADORA ASSINOU ATO ANULANDO AUMENTO A PROCURADORES

Enquanto se caminha para ressuscitar no cargo o governador Carlos Moisés, com previsão disso acontecer nesta sexta-feira, 27, a interina, Daniela Reinehr caneteia dando fim ao pecado administrativo que causou toda a celeuma resultante no pedido e desdobramento do impeachment ao titular da governança no Estado.

A PROVIDÊNCIA

Conforme Ato Administrativo de Anulação nº 1844/2020 que foram publicado assim bem deverada numa edição extra do Diário Oficial do Estado na terça-feira, 24, Daniela Reinehr anulou o ato constante no Processo Administrativo PGE nº 4421/2019.

DO QUE SE TRATA?

O ato anulado se referia à concessão de verba remuneratória de equivalência aos procuradores do Estado, em relação à remuneração dos procuradores da Alesc. O documento determina que a Secretaria de Estado da Administração tome as devidas providências para a instauração da tomada de contas especial, na forma da legislação vigente. Ou seja, se o pecado era esse, a penitência foi cumprida.

Pelos desdobres, tudo indica que na semana que vem Moisés e Daniela devem retomar agenda conjunta com o governador de volta ao cargo e à ativa

CLARO QUE…

A anulação do ato em referência não é a causa do retorno de Moisés à função. Até porque em relação a atos públicos, desde que cometidos, a simples correção não anula aquilo praticado. A volta do governador ao cargo se deve a outra engenharia de articulação política inclusive a partir da participação daqueles que tentaram ocupar o lugar dele, na pós-queda pelo impeachment.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *