Geral

Auxílio: Algo errado pode não estar certo

754 SERVIDORES DE LAGES TERIAM ACESSADO AUXÍLIO EMERGENCIAL

Ministério Público de Contas – MPC/SC cruzou dados com aqueles da CGU e chegou a números alarmantes em relação a servidores municipais que acessaram recursos do Auxílio Emergencial do Governo Federal (valores entre R$ 600,00  e R$ 1.200,00 mensais). Ocorre que tais servidores não podem, sem qualquer tipo de exceção, ter acesso a tais valores porque o benefício se destina exclusivamente a pessoas sem vínculo empregatício.

DADOS LOCAIS

De acordo com reportagem publicada na versão eletrônica do DC (NSC Total), Lages é o município com a maior quantidade de servidores municipais presentes na lista de acesso ao benefício: 754 ao todo. Como a prefeitura tem cerca de 5 mil servidores (entre efetivos e seletivos), significaria que um em cada 7 buscou o dinheiro de forma indevida.

DESCONFIA-SE QUE…

Houve no período de busca pelo Auxílio Emergencial uma demanda de pessoas que, ao acessar o sistema, recebia informação de que possuía vínculo empregatício com a Prefeitura de Lages. Isso porque, no passado trabalhou como contratado. E na época da busca do Auxílio, estavam desempregadas. Dentro do benefício da dúvida, suspeita-se que a maior parte desses 754 servidores que aparecem como beneficiados, seja dessas pessoas. Até porque não se acredita que tanta gente que não precisava (e que sabia que não tinha direito), fez o cadastro, houve aprovação e liberação dos valores.

Desde a terça-feira da semana passada, dia 13, de acordo com as informações, as prefeituras, inclusive de Lages, tiveram acesso à lista daqueles beneficiados.

E AGORA?

Basta agora que a municipalidade informe se há pessoas ‘da ativa’ na lista ou se trata dessa inconsistência de dados de servidores já sem vínculo (mas dentro do sistema como ativos) que receberam o benefício. Nesse último caso, não haveria problema. Bastaria explicar. Agora se há efetivos em atividade na lista, há consequências!

Compartilhe

1 comentário para: “Auxílio: Algo errado pode não estar certo”

  1. Disse e repito, funcionário publico na ativa de todos os níveis que se cadastraram e sacaram o dinheiro deveriam ser demitidos, não pode se esperar que essas pessoas não sejam confiaveis, por isso só tem uma solução demissão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *