Geral

Black Friday na Alesc

TOGADOS MANTIVERAM A COERÊNCIA. JÁ OS NÃO TOGADOS…

Desde o princípio, agora e para os dias que veem, é sabido que o procedimento de impeachment contra Moisés era norteado pelo viés político. O parlamento precisava dar um recado que baixasse a crista do indiferente governador ao jogo político.

E…

Prova do DNA político no processo é o fato de que dos cinco desembargadores que integraram a comissão especial que analisou o feito, quatro deles, amparados na norma legal, posicionaram-se contra o impeachment. Até porque era tipo uma pedalada juridicamente explicável e não com conteúdo suficiente para arrancar do cargo alguém que obteve 7 em cada 10 votos para se tornar governador.

MARIA VAI COM AS OUTRAS

E DEPOIS COM OS OUTROS

Se os juristas mantiveram a coerência e posicionamento, os políticos mudaram de postura tal qual nuvem no céu. Embora somente os votos dos desembargadores (os quatro contra o impeachment) fossem suficientes para devolver o mandato a Moisés, dois deputados alteraram o posicionamento, passando a defender o governador. Deputado Vampiro atucanou e foi para o muro, mas os deputados Láercio e Eskudlark que foram os maria vai com as outras na primeira votação, agora se tornaram os maria vai com os outros.

O QUE HÁ POR TRÁS DISSO?

Nos meios se comenta que o PSD vai encostar em Moisés (não sei se para ajudar ou atrapalhar). Deputado Jessé Lopes foi para as redes sociais tornar público uma das faturas do livramento condicional para Moisés não ser apeado do cargo. Um oestino ligado ao PSD poderá tomar conta da casa, no caso da Casa Civil.

TEM MAIS

A engenharia teria previsto uma saída honrosa ao governador que terminaria seu mandato sem ser importunado, mas não iria à reeleição. Teria até apoio para buscar outro cargo nas urnas, mas não de governador. Tem ainda outros pormenores de bastidores que envolveriam a sustentabilidade moisésica no governo. Coisa que só o futuro confirmaria.

DAÍ QUE…

A gente conclui pela exteriorização de uma verdadeira black friday no parlamento catarinense. Não no sentido de posturas e costuras envolvendo dinheiro, mas estabelecendo relações que não são monetizáveis. Isso no viés político, é claro. Porque no campo jurídico, os protagonistas cumpriram a tarefa sem misturança.

Registro do Daniel Conzi da sessão na Alesc que culminou com a absolvição do governador Moisés no processo de impeachment. Foi melhor assim em um desfecho cuja sede do parlamento contra o governador deve ter fim. Penso!

Compartilhe

1 comentário para: “Black Friday na Alesc”

  1. Graças a Deus o Governador mais votado da História de Santa Catarina volta as suas funções. Deveria agora afastar de vez a traíra da Vice que junto com uma cúpula queria ficar no Governo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *