Geral

Carmen e a troca do Ministro da Saúde

A REAÇÃO DA PARLAMENTAR LAGEANA À SAÍDA DE PAZUELLO

“Eu vejo com muita tristeza o debate sobre a substituição de ministros da Saúde. Nós precisamos dar respostas à sociedade e com esse debate estamos perdendo tempo na busca de alternativas para salvar vidas”.

Carmen Zanotto que construiu relação de diálogo, na base do tecnicismo e conhecimento na área com o ministro Mandetta

Na mesma linha de troca de informações lá estava Carmen Zanotto com o Ministro Nelson Teich

Na mesma peleia é a deputada com Eduardo Pazuello e agora um quarto nome é escalado para o Ministério da Saúde nesses tempos de pandemia

Compartilhe

1 comentário para: “Carmen e a troca do Ministro da Saúde”

  1. Troca o ministro mas o presidente é o mesmo.

    O que eles querem é alguém que adote o discurso que já causou mais de 260.000 mortes no Brasil.

    Toda a narrativa que vem desde o início da pandemia por parte do Presidente, com o incentivo ao não uso de máscara e distanciamento social; desconsideração do risco real do vírus considerando ele como “uma gripezinha”; pregar o tratamento precoce mesmo com provas científicas da ineficácia; má gestão pública da saúde e a opção de não comprar vacinas.

    E tudo isso vem tendo o reflexo agora em nossa sociedade. Se desde o início tivéssemos uma gestão racional e consciente, provavelmente estaríamos com muito menos mortes e com a economia mais fortalecida do que agora, sendo que diante ao caos do sistema de saúde, é obrigado que se tomem medidas drásticas para frear o avanço da contaminação.

    Agora eu me pergunto, quando irão realmente abrir os olhos para todo esse absurdo que vem acontecendo no Brasil? Quando que lideranças municipais e as mídias locais, principalmente no Sul do Brasil, vão admitir a tragédia e se posicionar contra esses absurdos?

    O Brasil vem regredindo a passos largos. É a volta da fome, inflação, o desmonte da ciência e educação, desmonte da nação brasileira por pura ideologia e fetiche por autoritarismo, torturadores e ditadores. Logo esses que julgam ditaduras como China e Cuba.

    Que tempos sombrios vivemos. É um pequeno resumo do contexto histórico do Brasil em 3 anos. Isso estava abafado em um período de consolidação democrática e ascensão econômica e social das classes baixas e médias.

    Eu nunca iria acreditar se me falassem há 10 anos atrás que estaríamos nessa agora.

    Mas fazer o quê. Pelo menos nós tiramos o PETÊ.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *