Geral

Carmen inclui Lages em alerta nacional

DEPUTADA FEZ DESABAFO EM FORMA DE ALERTA NA COMISSÃO DE SEGURIDADE DA CÂMARA

Dividimos em seis partes a fala da parlamentar lageana começando pelas providências para Lages:

“Estamos vivendo o pior momento dessa pandemia. O que está acontecendo, além dos kits de intubação, monitores, respiradores, também há falta de profissionais da saúde. Estamos indo buscar para Santa Catarina, dos leitos que foram abertos em Chapecó e Xanxerê para a gente abrir em Lages, que é a minha cidade, em Cuiabá e Rio de Janeiro. Porque o sistema está esgotado”.

RISCO DE MAIS ÓBITOS

“Se nós não compreendermos que outras medidas terão que ser adotadas para a gente dar uma aliviada no sistema, nós vamos, muito rapidamente, talvez de hoje para amanhã, passar de 3 mil óbitos dias (no Brasil)”.

VARIANTE MAIS AGRESSIVA

“Nós estamos vivendo uma situação onde essa variante é muito mais agressiva que aquela que a gente viveu no ano passado. No Sul do País não é o oxigênio que vai faltar, nem o líquido e nem o gás para recarregar. Sabem o que está faltando já? O casco, o cilindro. Paciente que precisa ir para casa, mas que depende da oxigenoterapia domiciliar, não se está conseguindo dar alta para ele com a segurança da entrega diária, conforme a necessidade de cada paciente”.

OUTRO PERFIL DE VÍTIMAS

“Não é hora da gente procurar culpados. É hora da gente pensar e admitir que nós temos uma variante (do vírus) mais agressiva. Essa variante está atingindo recém nascidos, gestantes, crianças, jovens. Os óbitos estão mudando. Graças a Deus a vacina já está dando resposta aos idosos que receberam a segunda dose”.

COMANDO NACIONAL

“Então, é com muita dor (diante de tal realidade), mas todos nós precisamos de uma voz, rezo e peço a Deus que o ministro Marcelo (da Saúde) consiga fazer isso, (sendo) uma voz de comando nacional. Nós precisamos de uma voz de comando nacional. Se nós não tivermos uma voz de comando nacional que mostre à população as boas práticas de prevenção e a importância de manter a economia viva…”.

SITUAÇÃO É MAIS CRÍTICA

“…Punirmos com rigor quem está fazendo festa clandestina. Porque eles se contaminam lá e levam para as casas e para as empresas, levam para o comércio. Então, minha visão como enfermeira é de que a situação é muito mais crítica do que aquilo que a gente está conseguindo avaliar, em especial no Sul do País. Então, ou nos reorganizamos todos, ou iremos ver situações muito mais drásticas nos próximos dias”.

Carmen Zanotto na Comissão de Seguridade Social nesta quarta-feira, 17, e um desabafo em forma de alerta

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *