Geral

Celesc anuncia R$ 4,5 bilhões para SC

PLANO CONTEMPLA 21 NOVAS SUBSTAÇÕES E AMPLIAÇÕES E MELHORIAS DE 41 JÁ EXISTENTES

“É um momento ímpar para Santa Catarina, que será beneficiada com o maior investimento da história no sistema elétrico catarinense. Isso representa mais oferta, qualidade e disponibilidade de energia para a população e para quem gera emprego e renda. Um investimento que dá segurança para o empresário permanecer no Estado e expandir seus negócios”.

Acima trecho da fala do governador Jorginho Mello ao lançar com a diretoria da Celesc o plano de investimentos que totaliza R$ 4,5 bilhões. Antes da fala, o governador chegou ao evento dirigindo um carro elétrico da Celesc. 

OS BILHÕES

A Celesc pretende investir cerca de R$ 4,5 bilhões no sistema elétrico catarinense até 2026. O montante é o maior pacote de investimento da história da companhia. Os aportes previstos incluem R$ 3,5 bilhões para a ampliação da capacidade transformadora de subestações existentes, construção de novas subestações, instalação de novas linhas de distribuição, investimentos em média e baixa tensão, além de R$ 1 bilhão em projetos estratégicos. 

As informações constam no Plano de Investimentos da Empresa, lançado em evento no Teatro Pedro Ivo

 PALAVRAS DO PRESIDENTE

O presidente da Celesc, Tarcísio Rosa, ressaltou a importância do investimento. “O Plano contempla ações que darão mais recursividade e robustez ao sistema elétrico em todo o território catarinense e prevê a construção de 20 novas subestações e 41 ampliações e melhorias em subestações já existentes. Isto certamente será refletido em melhores condições para SC crescer e dar mais qualidade de vida para quem vive e trabalha em nosso Estado”.

PRIORIDADES DA SERRA

Além da estrutura de energia elétrica para o futuro distrito industrial de Índios, outra demanda urgente para os municípios da Serra Catarinense se refere ao combate às interrupções no fornecimento de energia que têm sido frequentes nas localidades e propriedades do interior. Há situações gritantes em relação à demora no restabelecimento dos serviços.

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *