Geral

Cirurgias: Problema é a falta de médicos

HOSPITAIS COMO O TEREZA RAMOS EM LAGES NÃO CONSEGUEM CONTRATAR ESPECIALISTAS PARA PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS

Há filas à espera de cirurgias ginecológicas. Há demanda represada para emissão de laudos radiológicos. Há essa e outras realidades causadas, não por falta de recursos para custear tais procedimentos. E nem, naturalmente, pela falta de pacientes à espera. Não se trata de buscar um argumento para a realidade angustiante, mas de uma situação lamentável, mas inconteste: faltam profissionais, especialistas na área afim para prestar o serviço. “Temos dificuldades de médicos para realizar cirurgias ginecológicas, por exemplo. Conseguimos convencer um profissional para iniciar os procedimentos”, observa o diretor do hospital Tereza Ramos, Maurício Batalha.

AINDA SOBRE O ASSUNTO

“Temos hoje aproximadamente 50 pacientes com as Autorizações de Internamentos Hospitalares (AIH) já emitidas, o que as autoriza serem submetidas a cirurgia após consulta anestésica e cardiológica”, cita o diretor Batalha. “Acreditamos que entre 70 e 90 dias estas pacientes estarão atendidas”. De acordo com ele, a partir disso, será iniciado o atendimento ambulatorial das pacientes da Amures. “Sendo que Lages continuará utilizando como referência a prestação de serviços em Florianópolis. Assim, teremos dois serviços realizando estas cirurgias (…). Estas quatro semanais devem ser o início. Queremos ter muito mais procedimentos por semana”.

SOBRE A FALTA DE ESPECIALISTAS

De acordo com o diretor Maurício Batalha, vários procedimentos seletivos foram abertos desde o início do ano. “Mas para a maioria das especialidades não aparecem médicos interessados”. Segundo o diretor do Tereza Ramos, há falta mais ainda de profissionais especializados para a área radiológica. “… que junto com as cirurgias ginecológicas são os nossos maiores problemas a serem resolvidos. Nas duas situações, estamos buscando soluções para reduzir e tentar acabar com os problemas”, conclui Batalha.

As informações acima que o diretor Maurício Batalha nos passou foi mais a título de troca de mensagens para termos ideia sobre a situação. Como é algo que esclarece e dá ideia da busca de solução, a gente compartilha com aqueles que nos acessam e que conhecem pacientes que estão nesse aguardo angustiante pelos procedimentos

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *