Geral

Cogitações do colegiado do Gringo

CERON NÃO PRETENDE NOMEAR TODA EQUIPE ANTES DA REFORMA

Colega Olivete Salmória antecipa algumas informações e outras cogitações sobre a futura equipe de Antonio Ceron. É fato que o prefeito pretende exonerar todos os comissionados no próximo dia 30 e assume no dia 1.º somente ele e o vice, Juliano Polese.

O QUE DIZ O GRINGO

Do próprio prefeito Ceron a informação é de que ele pode administrar janeiro inclusive com alguns nomes interinos naquelas secretarias que precisam de gestores, como Saúde, Educação e Assistência Social. Talvez Obras e Serviços Públicos exijam titulares em janeiro porque as ações decorrentes de necessidades permanentes não podem parar. E só.

DESENVOLVIMENTO DESACELERADO

Colega Olivete Salmória faz referências à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Geração de Empregos e Turismo como uma secretaria acéfala durante o primeiro mandato. Ceron optou por respeitar a enfermidade que, infelizmente, atingiu o secretário Mário Hoeller de Souza. Aguardava-se o restabelecimento que veio aos poucos. Mas essa situação, de fato, retirou a secretaria do noticiário. A retomada de áreas doadas às empresas que não se instalaram não se tem notícia de evolução e o setor só não ficou mais discreto porque o próprio prefeito liderou questões como a instalação da Berneck. A jornalista antecipa que Luiz Carlos Pinheiro poderá ser o futuro secretário. Seguirá a secretaria acéfala se isso ocorrer? Então…

VONE NO COLEGIADO

Embora a jornalista Olivete Salmória, cite o emedebista Vone Schuermann no colegiado, é improvável que o atual presidente da Câmara integre a futura equipe de Ceron. Não que o Gringo não queira, mas por opção do atual vereador de tocar seus negócios. Entre ambos há uma relação de respeito imenso.

Ceron encontrou em Vone algo que ele considera indispensável numa relação de atuação pública: lealdade

O QUE MUDA NA ESTRUTURA?

Duas secretarias tendem a virar quatro. E somente isso, a princípio: Seplan e Infraestrutura deixam de ser uma só, assim como Assistência Social e a área de Habitação. Turismo segue, a princípio, como uma diretoria. Torcida para que seja menos discreta como foi neste mandato. No projeto que enviará à Câmara em fevereiro essa reforma é o divisor de águas para a formação da equipe. Depois de aprovada na Câmara, Ceron começa, efetivamente a montar o novo grupo de trabalho.

ALGUMA OUTRA MUDANÇA?

Ceron aproveita dezembro, a virada de ano e os primeiros dias de janeiro para formatar o modelo de equipe que pretende. João Rodrigues em Chapecó, por exemplo, transformou a Secretaria de Agricultura em diretoria. Se a parte de obras que a Agricultura de Lages executa viesse para a Infraestrutura, é de se pensar sobre o status nessa área, até porque Osvaldo Uncini, parceiro de primeira hora dos projetos do PSD, não deve seguir no governo por opção dele.

A PROPÓSITO

Uncini já havia dito que pretendia tocar as atividades privadas (agronegócio). Mas Ceron vê na agricultura (agronegócio) um viés de desenvolvimento de Lages. Daí, por certo, tal área tende a manter-se com status de Secretaria. Embora, analisando do ponto de vista político, o interior foi um fiasco nas urnas para o Gringo perto do trabalho realizado (leia-se o projeto porteira adentro).

SOBRE A EDUCAÇÃO

A jornalista aponta que a atual vereadora Aida Hoffer pode voltar à Educação. Improvável. Não que Aida não tenha um leque enorme de serviços prestados e atributos que a credenciam. Mas a tendência da área da Educação, se houver mudança de titularidade, é passar (acredito) pelo viés do diálogo com a vereadora eleita, Elaine Moraes (Cidadania).

ISSO NÃO DEMORA MUITO?

Como janeiro é um mês desacelerado, essa demora na formação da nova equipe repercute até em economia com a folha. Lógico que haverá gente colocando fluoxetina na caixa d’água para controlar os nervos, na espera do convite e do chamamento, mas algo é fato, o Gringo fará uma equipe ainda mais técnica e menos política. Embora, valorizando aqueles que foram leais, como ele mesmo diz.

E O MDB ONDE ENTRA?

Pedro Freitas foi escolhido pelo MDB para ser o vice de Carmen Zanotto. Ela não quis (a vaga estava comprometida). Ele tentou colocar a sigla apenas apoiando a candidata do Cidadania para, no futuro governo, ter espaço ao MDB. Não encontrou guarida. Assim, ele recolheu o MDB da ‘entrega’ ao Cidadania e a sigla fez a adesão indireta a Ceron. Se houver três fatores principais da derrota de Carmen, um deles foi essa indiferença ao MDB. O próprio Pedro Freitas tende a ser o nome do partido na equipe de Ceron.

Pedro Freitas, que coordenou o MDB na eleição deste ano, mas cuja atuação foi respaldada por lideranças da sigla nos bastidores

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *