Geral

Colombo: Primeira vez como pré em SC

EX-GOVERNADOR ACENOU QUE PSD DEVE VOTAR AGENDAS IMPORTANTES PARA O ESTADO, MAS ENTENDE QUE O LUGAR DO PARTIDO É NA OPOSIÇÃO

“Encerrada a reunião com prefeitos, vices e bancada do PSD, sobre o Governo de Santa Catarina reiterei que o trabalho do nosso partido deve ser de construção em tudo que pelo bem dos catarinenses. Mas não cabe alinhamento político. Nesse quesito, o lugar do PSD é onde o povo nos colocou: na oposição”.

Esse posicionamento não veio em release, mas foi para a rede social do ex-governador Raimundo Colombo. Ele luta para tentar descolar o PSD do governo Moisés, naquela pregação de que o candidato da sigla (Merísio) fora derrotado pelo atual governador.

PRÉ-CANDIDATO AO GOVERNO

“Do ponto de vista político, ou o partido se posiciona e faz um projeto independente ou não existe projeto”, discursou Colombo na ideia do PSD ter um candidato para chamar de seu, mesmo que esse nome seja o dele. É a primeira vez que a assessoria do ex-governador compartilha conteúdo se referindo a Colombo como pré-candidato a governador de SC.

Colombo pregando aos seus num PSD cheio de intenções diferentes em relação aos rumos de 2022

PITADINHA DOS BASTIDORES

Não está nos releases a postura do prefeito João Rodrigues que assistia a reunião do PSD e ouvia o apresentador se referir a Colombo e Napoleão (Bernardes) como pré-candidatos a governador. Quando usou a palavra o prefeito de Chapecó pediu respeito, visto que é o nome mais badalado do PSD para um projeto eleitoral majoritário em SC. Citou a relação com Bolsonaro e a repercussão de sua atuação. Referindo-se diretamente a Colombo, observou que já apoiou o ex-governador em várias oportunidades e espera retribuição.

FOGO DE PALHA?

Embora seja muito cedo para conclusões, embora o processo eleitoral estadual já esteja ali atrás daquele morro, há quem veja a mobilização de João Rodrigues como mera cacifação do nome. Não se visualiza ele renunciando em Chapecó para um projeto temerário em âmbito de Estado.

Por outro lado, se o PSD se mostrar ingrato com João Rodrigues, ele tem opções de rumo para seguir. E parafraseando o saudoso prefeito Renatinho, se não se eleger, João pode ajudar deseleger. Até porque, apesar dos agrados na motociata do sábado ao prefeito de Chapecó, o cara de Bolsonaro no Estado tende a ser Jorginho Mello

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *