Geral

Como fica a Alesc pós janelinha?

PSB E PSC FICARAM SEM DEPUTADOS. CINCO ESTADUAIS DEVEM TENTAR VAGA A FEDERAL. E UM PODE CONCORRER AO SENADO

Alguns parlamentares como a deputada Paulinha já havia saído da sigla pela qual se elegeu, o PDT. Outros aproveitaram o surgimento do União Brasil (junção do DEM e PSL) e a janelinha partidária de março para encontrar novo rumo partidário dentro do parlamento catarinense.

E SENDO ASSIM

Além de um novo cenário partidário dentro da Alesc, visualiza-se ainda o fato de deputados estaduais que miram uma vaga a Federal ou Senado, fazendo surgir o seguinte quadro:

MDB, PSD, PT, PP, PSDB, Novo, PDT e PTB não sofreram alterações durante a janela partidária, mas algumas dessas siglas passaram por mudanças de endereço partidário desde a eleição de 2018.

ANALISANDO A RELAÇÃO ACIMA

SENADO – Deputado Kennedy Nunes, mais motivado ainda pela saída de cena de Luciano Hang da disputa, pretende concorrer ao Senado.

FEDERAL – Pelo que sabemos, são cinco Estaduais que tentam vaga a Federal: Ricardo Alba, Marlene Fengler, Ismael dos Santos, Cobalchini e Ada de Luca.

FORA DA DISPUTA – Presidente do PSD e deputado Estadual, o empresário MIlton Hobus já declarou que não pretende disputar a reeleição neste ano.

ELEIÇÃO MENOS DIFÍCIL – Pelo cenário político e realidade no parlamento, partidos como PP, PSD, Podemos e Republicanos apresentam aparente maior facilidade de busca de um mandato por aqueles que pretendem disputar o pleito à Alesc.

CONGESTIONAMENTO E DIFICULDADE – Por outro lado, o PL se apresenta como aquele onde a eleição será mais concorrida e exigente dos pretendentes a uma das 40 vagas. O partido elegeu três em 2018 (Maurício, Berlanda e Marcius) e agora soma sete deputados. Pesa a favor o fato de ter candidato a governador (Jorginho).

Numa conta não absoluta, para emplacar cada deputado estadual no parlamento, o partido precisa somar 100.000 votos. Para repetir a mesma bancada, o PL, por exemplo, teria que fazer mais de 600.000 votos a Estadual, na soma de todos os candidatos ao parlamento de SC

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *