Geral

Lages e a Serra 90 dias após 1.º caso

Desde aquela metade de março se passaram 90 dias do primeiro registro da Covid-19 na Serra Catarinense. Foi uma transmissão decorrente de viagem que confirmou o primeiro caso, levando a paciente a internamento hospitalar (sem necessidade de UTI). Depois veio caso em Rio Rufino, Anita Garibaldi e os números foram aumentando, mas não muito. Comparada a outras regiões, a Serra Catarinense tem uma realidade exteriorizada relativamente confortável.

NÚMEROS NA SERRA CATARINENSE

Lages………………..257 casos

Abdon Batista………22 casos

Otacílio Costa………15 casos

São Joaquim……….11 casos

Vargem……………….06 casos

Correia Pinto………..05 casos

Anita Garibaldi……..02 casos

Rio Rufino…………..02 casos

Palmeira……………..02 casos

Bocaina do Sul……..01 caso

Bom Jardim………….01 caso

Ponte Alta……………01 caso

São J. Cerrito……….01 caso

Otacílio Costa com 14 casos sendo que 07 estão recuperados nos dados da noite da quinta-feira, 18

ATUALIZANDO

(No final da tarde foi confirmado mais um)

MUNICÍPIOS DA AMURES SEM COVID-19

Campo Belo do Sul

Cerro Negro

Bom Retiro

Capão Alto

Urupema

Urubici

Painel

Na relação acima incluímos Abdon Batista e Vargem (foto acima) que embora não integrantes da Amures estão na Região dos Lagos participantes do CIS – Consórcio de Saúde da Amures

OUTRAS OBSERVAÇÕES

Os dados acima mesclam informações do boletim epidemiológico do Governo do Estado e das Secretarias Municipais de Saúde. É que há defasagem nos dados contabilizados no Estado. Lages, por exemplo, aparece com 210 casos nos números da Secretaria de Estado da Saúde. São 47 a menos que a realidade. Otacílio Costa aparece com 9, sendo 6 a menos que os dados reais obtidos no município.

IMPORTANTE AINDA

A maioria dos pacientes nesses casos relacionados já está recuperada. Houve o caso nesta semana, por exemplo, que aquele cidadão de São Joaquim que precisou internamento em UTI em Lages recebeu alta.

Inclusive, ao receber alta, o idoso, com os devidos protocolos de segurança, foram homenageados pelos profissionais da ala que atende pacientes com a Covid-19 no Hospital. Ele deixou o local com direito ao toque de gaita ao som de É disso que o velho gosta. Bacana e, provavelmente, emocionante ao paciente enfrentar a doença, superá-la e deixar o internamento nesse clima de vitória.

É humanismo que diz?

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *