Geral

Covid-19: Primeiro caso de UTI em Lages

PACIENTE FOI DIAGNOSTICADA EM TESTE RÁPIDO

A forma como foi divulgado nas redes sociais o desencontro de diagnóstico entre testes rápidos aplicados pela Secretaria da Saúde de Lages e aqueles realizados em laboratório privado tentou desacreditar a eficácia da testagem pública. Porém, essa postura desnecessariamente combativa daqueles a criticarem os testes rápidos não contribui nas ações relacionadas à pandemia.

OCORRE QUE...

O diagnóstico na testagem, seja na rede pública ou laboratórios, não é absoluto, infalível, 100%. E como ser portador de um exame positivo não é sentença de morte, objetivo da estratégia é alertar a pessoa diagnosticada para que se submeta ao protocolo de isolamento e tome a medicação adequada. Combater os testes rápidos não é o caminho.

EFEITO PRÁTICO

Na sexta-feira, 05, foram informados 12 exames discordantes entre testes rápidos e de laboratórios privados. Todos foram à contraprova e quatro voltaram a identificar os pacientes como reagentes à Covid-19. E nesse meio tempo, ao relaxarem o protocolo, quantas pessoas podem ter sido contaminadas? Por isso que, na dúvida, o protocolo público do isolamento é o caminho.

CASO DE UTI

A partir dos testes rápidos realizados em Lages, diagnosticou-se uma paciente positivo para a Covid-19. Nesta terça-feira, 09, infelizmente, seu quadro de saúde agravou, sendo a primeira pessoa a precisar de UTI na cidade. Não fossem os testes rápidos, onde estaria essa paciente?

ASSIM

Por certo a estratégia de testagem identifica o paciente com a doença, isola-o e permite o tratamento mais imediato. E esse imediatismo – como no caso relatado – recorrendo-se até à UTI, pode significar a diferença que vai garantir a superação do contágio por Covid-19.

O primeiro caso de Covid-19 tratado em Lages requereu internamento hospitalar. Mas de necessidade de UTI a primeira situação se registrou nesta terça-feira, quase 90 dias após o início da pandemia. Os testes rápidos diagnosticaram a paciente que está com o estado de saúde abalado decorrente de complicações agravadas pela Covid-19

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *