Geral

Era previsível: Prefeitos viram réus!

É O PRIMEIRO DESDOBRAMENTO DA OPERAÇÃO MENSAGEIRO ONDE TRÊS PREFEITOS SE TORNARAM RÉUS NA INVESTIGAÇÃO DO GAECO

Era absolutamente improvável que os prefeitos presos no âmbito da Operação Mensageiro, ao terem a denúncia protocolada contra eles pelo Ministério Público, tivessem um parecer pelo não aceite da referida peça denunciativa. Assim, a 5.ª Câmara de Direito Criminal do TJ/SC, ao analisar o conjunto da investigação no teor apurado pelo Gaeco, tornou réu os primeiros três prefeitos que tiveram as denúncias avaliadas pelos desembargadores.

O TRIO QUE VIROU RÉU

Tornaram-se réus na investigação liderada pelo Gaeco, os prefeitos Luiz Henrique Saliba (Papanduva) e os vizinhos de municípios Deyvison Souza (Pescaria Brava) e Vicente Costa (Capivari de Baixo). Ao aceitar as denúncias, os desembargadores exteriorizara detalhes sobre a participação dos prefeitos naquilo que são acusados pelo Ministério Público.

SIGNIFICADO DISSO PARA O PREFEITO DE LAGES

É inconteste que em âmbito de Lages a expectativa era sobre o entendimento dos desembargadores em relação à investigação que, ao analisar as denúncias contras os três primeiros prefeitos, dessem a senha daquilo que tende a acontecer com os outros quatro prefeitos presos, inclusive o de Lages, Antonio Ceron. Embora cada caso seja um caso, a tendência é do Poder Judiciário (leia-se 5.ª Câmara de Direito Criminal) interpretar em linha semelhante as demais denúncias, dando enquadramento idêntico. Ou seja, aceitando as peças do Ministério Público e tornando os prefeitos réus.

RÉU QUER DIZER CULPADO?

Não. Absolutamente não. Réu numa denúncia do MP/SC quer dizer que o inquérito conduzido pelas forças de investigação apresentaram indícios de envolvimento, participação, adesão àquilo que está sendo chamado como o maior esquema de corrupção da história de SC. Agora se haverá a culpa suficiente para a condenação e estabelecimento de penas, isso dependerá da instrução do processo. Mas daí já é outro capítulo. Ou melhor, outra temporada para a mesma série.

A decisão desta quinta-feira, 13, é indicativo de tendência para aceite de denúncia contra outros envolvidos e investigados no âmbito da Operação Mensageiro

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *