Geral

Lages e a teoria das flores mijadas

DIFÍCIL RUA, AVENIDA OU PRAÇA QUE NÃO ESTEJA AGUARDANDO MANUTENÇÃO NA REDE PÚBLICA DE ILUMINAÇÃO

A teoria abaixo é utilizada com frequência para exemplificar a influência do meio ao combate à criminalidade:

Pesquisadores da Universidade de Stanford (EUA) deixaram dois carros idênticos abandonados na rua. Um no Bronx, região pobre de Nova York e o outro em Palo Alto, zona rica da Califórnia. Resultado: O carro abandonado no Bronx foi vandalizado em poucas horas com rodas furtadas, motor, espelhos, rádio. O que não levaram, destruíram. E o carro abandonado em Palo Alto se manteve intacto.

A EXPERIÊNCIA NÃO TERMINA AÍ…

Quando o carro abandonado no Bronx já estava destruído, os pesquisadores quebraram um vidro do automóvel de Palo Alto que seguia intacto. Logo foi desencadeado o mesmo ocorrido no Bronx: Furto e vandalismo reduziram o veículo à mesma situação daquele deixado no bairro pobre.

SIGNIFICADO

Um vidro quebrado em um veículo abandonado transmite ideia de deterioração e despreocupação. Faz quebrar os códigos de convivência, supondo que a lei se encontra ausente e que naquele lugar não existem normas ou regras.

A TEORIA APLICADA EM LAGES

Numa rua iluminada, em uma praça com claridade que identifique qualquer ação, o cidadão circula pelas mesmas submetido às regras de convivência, da cautela, crente que há um olhar da fiscalização social e do próprio poder público sobre ele. Mas diante da ausência de iluminação pública, a pessoa se sente como se estivesse em um local abandonado, sem que o poder público dê importância.

E…

O exemplo prático se visualiza na praça do Terminal Urbano de Lages. Sem manutenção da iluminação no local, os canteiros de flores viram local para urinar, os locais mais na penumbra se tornam pontos de consumo de drogas, de atos libidinosos. É a teoria das flores mijadas, parafraseando a ‘broken windows theory’ americana, a teoria das janelas quebradas. Nos EUA foi apenas uma experiência. Aqui em Lages é uma realidade de omissão do poder público em relação à manutenção da iluminação pública.

Esse registro foi enviado para A Hora da Corneta da Clube FM 98,3. Essa postura de falta de decoro ocorre porque a praça estava às escuras, demonstrando ausência do poder público.

QUESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM LAGES

As reclamações se multiplicam. A prefeitura possui apenas uma equipe própria para executar a manutenção e, naturalmente, não consegue dar conta. Venceu o contrato da empresa Serrana Engenharia que tocava o serviço e não houve a imediata substituição. Até um contrato emergencial que foi adotado para a coleta de lixo e para a gestão da UPA não se implementou na questão da iluminação pública. O resultado é a situação de escuridão em ruas, avenidas e praças. E isso que a prefeitura arrecada bem mais que R$ 1 milhão todo mês – de forma compulsória – de Cosip. Triste!

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *