Geral

Fábrica de Lages corre risco de fechar?

Não se trata de uma notícia da área econômica, mas artística e cultural. Trata-se da hipótese da Fábrica de Gaiteiros que foi instalada no Centro Cultural Vidal Ramos (Colégio Rosa) administrado pelo Sesc ser desativada. A razão é de ordem financeira.

PARA ENTENDERMOS

O custo para a mantença consiste no aporte anual de R$ 10.000,00 à Fundação Renato Borghetti para expandir as atividades e atender mais adolescentes. Estamos falando num custo, portanto, de R$ 800,00 mensais. E ainda da contratação de um professor, responsável pelas aulas aos futuros gaiteiros.

ATUALMENTE 

Há 35 alunos em Lages. Alguns são de famílias carentes, recebendo ensinamentos que os colocam na vitrine como músicos, ao deixarem a referida escola sabendo tocar um dos instrumentos mais desafiadores. Estudantes carentes nada pagam para acessar aos ensinamentos.

PROVIDÊNCIA

Houve contato com Célio Spagnoli, que integra a diretoria da Fecomércio, que possui relação com o Sesc, para se buscar formar de manter a Fábrica de Gaiteiros. Mas é preciso que outras forças se unam e ajudem a manter um projeto que faz toda a diferença no fomento ao talento de jovens.

Aqui registro do lançamento da Fábrica de Gaiteiros em Lages através do próprio Renato Borghetti

Custo da ‘fábrica’ é uma contribuição anual de R$ 10 mil e de um professor que repassa os ensinamentos aos alunos

Sim, já tivemos músicos jovens formados na fábrica de gaiteiros de Lages recebendo premiação

Fotos: Divulgação/Arquivo

 

SEMPRE ATENTO,

CÉLIO SPAGNOLI NOS

INFORMA A RESPEITO QUE…

“Realmente me empenhei até os limites da minha competência. Porém, vejo com tristeza a possibilidade deste curso encerrar suas atividades em Lages. Observadas todas a situações possíveis, resta dizer que, por força das medidas já tomadas e outras por vir, por parte do governo federal, que pretende extinguir ou, na melhor das hipóteses, reduzir a receita desta importante entidade de promoção de cultura e lazer, há a necessidade de sacrificar parte das suas ações. Continuaremos lutando para reverter esta decisão, mesmo diante das dificuldades”.

Compartilhe

2 comentários para: “Fábrica de Lages corre risco de fechar?”

  1. Boa tarde Edson,
    realmente me empenhei até os limites da minha competência porém, vejo com tristeza a possibilidade deste curso encerrar suas atividades em Lages. Observadas todas a situações possíveis resta dizer que, por força das medidas já tomadas e outras por vir, por parte do governo federal, que pretende extinguir ou, na melhor das hipóteses, reduzir a receita desta importante entidade de promoção de cultura e lazer, há a necessidade de sacrificar parte das suas ações. Continuaremos lutando para reverter esta decisão, mesmo diante das dificuldades.

  2. O SESC deveria dar o curso de graça e pagar o professor. Já ganhou a reforma do Patrimônio e o Raimundo Colombo aí da dei por 30 anos se. Pagar nada. O SESC só quer levar vantagem. E ainda cobra dos comerciários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *