Geral

Fato da semana: O Continente das Lagens

MAIS IMPORTANTE OBRA DA HISTÓRIA DE LAGES FOI REEDITADA, PERMITINDO PRESERVAR A MEMÓRIA DAS PASSAGENS QUE TORNARAM POSSÍVEL O GIGANTISMO DESTA CIDADE

“Ao fazer as minhas considerações, sinto um orgulho ainda maior de quem foi a pessoa de Licurgo (Costa, autor de O Continente das Lagens), que em alguns casos foi mais conhecido até fora de Lages do que aqui. Mas com certeza, a vida dele é um orgulho para todos os lageanos e catarinenses, além de ser um exemplo de dedicação fraterna enaltecendo em todas as suas paradas e passagens a história da nossa cidade de Lages”.

As palavras do prefeito Ceron não resumem quem foi e o que representa Licurgo Costa no contexto da produção histórica de Lages porque o escritor não é daqueles a serem resumidos. Está acima disso. Um gigante!

O Continente das Lagens teve seu processo de reedição iniciado em 2015, através do trabalho de duas professoras e historiadoras contratadas pela Fundação Cultural: Sara Nunes (foto acima) e a Doutora Elisiana Trilha Castro. Com a referida reedição, a obra foi transformada de 4 para 2 volumes, de aproximadamente 690 páginas cada um. 

Registre-se a participação do cidadão da foto, o médico Carlos Fernando Agustini, o Coruja. Foi como deputado Estadual que ele viabilizou uma emenda parlamentar para custear o projeto da reedição. Nem precisa detalhar a paixão de Coruja por livros!

Nesse registro, outros incentivadores para tornar possível o projeto. De Paulo César da Costa: “Essa luta teve a participação de muita gente, pesquisadores, pessoas e entidades que se dedicaram a isso, que também tinham a mesma visão e desejo.”, reforçou Costinha, sobrinho de Licurgo… a Roberto Amaral, cuja Fundação Carlos Joffre foi parceira da iniciativa de reeditar O Continente das Lagens.

Da obra original, com exemplares absolutamente raros. Esses do registro são da Biblioteca Pública de Lages…

À obra reeditada em dois volumes de 690 páginas, com algumas imagens coloridas, dentro daquilo que a tecnologia permite, mas sem perder a essência do conteúdo

Laélio Bianchini (esquerda) testemunhando a história sobre a história de Lages no relançamento de O Continente das Lagens

Por uma questão de justiça, o registro da entrega de um exemplar. Mayra Ceron foi uma das entusiastas no incentivo ao projeto da reedição, ‘vendendo’ a ideia, destacando a importância da mesma

Secretária Ivana (Educação de Lages) que tem a tarefa de colocar em cada biblioteca da rede municipal, pelo menos um exemplar da obra reeditada, para que estudantes tenham acesso à história de Lages

Empresário Carlos Eduardo de Liz recebeu um exemplar para ficar à disposição na Associação Empresarial. O presidente da Acil não escondeu a emoção ao ter acesso à obra histórica

Na reunião da Amures, cada prefeito recebeu um exemplar para integrar a biblioteca de seus municípios. No registro o Superintendente da Fundação Cultural, Gilberto Ronconi (agachado à direita) que ajudou liderar o projeto da reedição

IMPRESSÃO MADE IN LAGES

Outro registro desse fato verdadeiramente histórico, que é a reedição do livro O Continente das Lagens, é que todo o projeto foi concebido aqui mesmo em Lages. Coube aos profissionais da empresa Graphel todo o carinho para trazer ao mundo essa obra reeditada, em um trabalho que teve inclusive algumas providências que exigiram até atividade artesanal, na concepção da capa, por exemplo.

O banner no dia do lançamento da reedição, inclusive destacando os parceiros que tornaram possível a obra: Prefeitura de Lages, através da Fundação Cultural, Fundação Carlos Joffre, IFSC, Fapesc e Governo do Estado que aparece ali de forma discreta e institucional porque em período pré-eleitoral não dá para exteriorizar marca. A impressão da reedição ocorreu na Gráfica Graphel de Lages.

Fotos: Jornalista Ary Barbosa de Jesus Filho

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *