Geral

Gaeco faz operação em Otacílio Costa

TRABALHO CONSISTIU NO CUMPRIMENTO DE MANDADOS DE BUSCA E APREENSÃO EM LAGES E OTACÍLIO COSTA

Quem passava pela manhã na frente do Hospital Santa Clara se deparava com um veículo da equipe do Gaeco na frente da instituição. Ainda não havia amanhecido a quarta-feira, 14, e investigadores estavam fazendo o levantamento de dados (e principalmente documentos) relacionados a uma investigação que está em curso.

HOSPITAL E CÂMARA

Os investigadores do Gaeco, a partir de autorização judicial concedida previamente, estiveram na Câmara de Vereadores de Otacílio Costa e no Hospital Santa Clara. Em ambos os locais cumpriram os referidos mandados para coletar documentos. O mesmo procedimento ocorreu num escritório de advocacia em Lages. Em ambos os municípios, o Gaeco solicitou e um representante da OAB acompanhou as diligências.

Investigadores do Gaeco começaram o dia colhendo documentos, incluindo visita ao Hospital Santa Clara (foto) e a Câmara de Vereadores de Otacílio Costa, além de um escritório de advocacia em Lages.

SOBRE A OPERAÇÃO

Gaeco juntamente com o Grupo Especial Anticorrupção (GEAC) e apoio da DIC de Lages, deflagrou a operação batizada como Concreto Armado, realizando o cumprimento de mandados de busca e apreensão em Lages e Otacílio Costa. A Promotoria de Justiça da Comarca de Otacílio Costa, Geaco e GEAC, após receberem informações repassadas pela atual gestão de Otacílio Costa, constataram fortes indícios da participação dos investigados (agentes públicos e privados) nos delitos de organização criminosa, fraude em licitação, peculato, corrupção, entre outros.

MODUS OPERANDI

O nome da operação deve-se ao fato da empresa envolvida nas fraudes, que atua na área de blocos e artefatos de cimento, possivelmente beneficiada em processos licitatórios organizados pela gestão municipal anterior, teria entregado serviços e materiais em quantidade inferior aos valores recebidos, além de serviços contratados e não realizados, com o compromisso de repassar um percentual dos desvios aos agentes públicos envolvidos no esquema criminoso.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *