Geral

Gráficos da pandemia em Lages

DADOS DÃO INDICATIVO SOBRE A INCIDÊNCIA, EVOLUÇÃO E CONTROLE DA COVID-19 EM LAGES DESDE O INÍCIO DA PANDEMIA

A gestão pública em relação à pandemia no município de Lages tem se mostrado eficiente e de resultados. Para isso, o secretário Claiton Camargo de Souza, naquele sintonia com o prefeito Ceron, debruça-se sobre dados, cenários e tendências. Isso permite planejar ações que incluem desde o horário de expediente nas estruturas, considerando os recursos humanos disponíveis, até a prioridade a esta ou aquela faixa etária, observando aquilo orientado via COES (Estado). A gente compartilha algumas análises desse acompanhamento sobre casos e demais circunstâncias que envolvem a pandemia em Lages. O próprio secretário Claiton Camargo de Souza copilou esses dados dessa forma:

Aqui a realidade sobre a perda de vidas na cidade, com o primeiro óbito registrado em julho de 2020. Foi em março do ano passado que a cidade registrou a maior quantia de óbitos.

Este outro gráfico ilustra a evolução de óbitos, observando-se que mais duas mortes se somaram a esses números (atualmente são 574 vidas perdidas devido às complicações decorrentes da Covid-19)

Esse gráfico aponta a evolução do número de casos positivos na cidade. Em nenhuma outra época se verificou um crescente tão agudo como no mês de janeiro de 2022. Lages começou março com 39.878 lageanos que já apresentaram diagnóstico positivo para a Covid-19. Significa que, oficialmente, um em cada quatro moradores de Lages já foi contaminado pela doença. Excluindo os 574 óbitos e 542 pessoas que iniciam o mês isolados porque têm Covid-19 ativa no organismo, a absoluta maioria dos contaminados (38.762 lageanos) se recuperou da doença.

Este gráfico sobrepostos diagnósticos e óbitos, aponta que a letalidade se apresenta menor, comparado ao aumento de casos. Essa realidade é creditada à eficiência da vacinação, com menos mortes, embora tenha se registrado maior número de casos. Ou seja, as pessoas contraíram a doença, mas ela se apresentou menos agressiva.

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *