Geral

HTR: Pressão onde ninguém tem razão

Era fevereiro de 2020 quando o governador Carlos Moisés anunciou a data de abertura gradativa da nova ala do Hospital Tereza Ramos. Seria dia 14 de agosto daquele ano. No último dia de julho do ano passado a informação do governador foi sacramentada numa reunião do Secretário de Estado da Saúde com a direção do hospital público de Lages.

Acima a informação com registro fotográfico da entrada em operação de um andar com UTI para Covid-19

PRESSÃO POR MAIS ESPAÇO ABERTO

Com o agravamento da pandemia, há uma intensificação do movimento pedindo a abertura de toda a nova ala. Inconteste que é necessário e importante. Porém, precisamos de UTI. E essas unidades não precisam, necessariamente, serem abertas na nova ala. Há espaço no ‘velho’ Tereza Ramos para abrigar novas UTI. É possível instalar tais estruturas em hospitais de São Joaquim e Otacílio Costa, por exemplo.

ENTÃO

O que a população da Serra Catarinense precisa – para tentar não sofrer (ainda mais) com o colapso que se desenha na área hospitalar -, é de UTI à disposição. E essas estruturas dependem de duas coisas: equipamentos e recursos humanos (médicos, enfermeiras, técnicos). E isso pode ser na nova ala, na velha ala ou em outro hospital. A pressão deveria ser nessa direção.

ATÉ PORQUE…

Se formos ao início da história da nova ala do Hospital Tereza Ramos, a estrutura era para estar funcionando antes do atual governo. E toda essa angústia pelo espaço ainda não ativado não assolaria lageanos e serranos.

Postagens nas redes sociais cobrando que a nova ala funcione 100%. Mas em tempos de pandemia não é isso que Lages precisa. Precisamos de UTI, prioritariamente UTI. E não adianta a nova ala funcionar, se não tiver profissionais e equipamentos para UTI. Inclusive porque tem espaço da ‘velha ala’ fechado que dependeria de equipamentos e recursos humanos para operar como UTI.

Simples, ou melhor, complexo assim!

Compartilhe

1 comentário para: “HTR: Pressão onde ninguém tem razão”

  1. Vejo uma imensidão de criticas ao governador Moisés sobre o HTR, o que eu não discordo, mas a minha intriga é, POR QUE O GOIVERNDOR COLOMBO, LAGEANO, NÃO REGULARIZOU ESTA SITUAÇÃO DO HTR E NINGUÉ NUNCA DISSE NADA?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *