Geral

Kimberly deixa Lages no vermelho

EMPREGOS: DEZEMBRO FECHOU NEGATIVO POR CAUSA DOS DADOS DA INDÚSTRIA. MAS 2020 FOI BOM, APESAR DA PANDEMIA!

Saíram os dados consolidados sobre a geração de empregos em Lages no ano da pandemia. No cômputo geral, 2020 foi ruim, mas não horrível. E apesar de vir numa crescente da ofertas de vagas no segundo semestre, depois que a pandemia causou 1.542 demissões em abril e maio, dezembro não foi bom. E a explicação pode estar na cidade vizinha de Correia Pinto.

ALTA

Setores como comércio e prestação de serviços seguiram na tendência de oferecer mais vagas que demissões em dezembro. Foram 97 registros a mais de empregos que demissões no comércio e 52 vagas preenchidas a mais na prestação de serviços.

BAIXA

Mas se a construção civil demitiu mais (40) que contratou, a anormalidade foi mesmo na indústria. Ocorreram 183 demissões a mais que as contratações. Lageanos que trabalhavam na Kimberly Clark, cuja planta industrial foi desativada em Correia Pinto, integram essa lista dos que perderam o emprego no último mês do ano.

Com os dados positivos do comércio e serviços contrastando com as demissões na construção civil e indústria, Lages fechou dezembro com 70 empregos a menos no banco de dados divulgados de forma oficial pelo CAGED

COMO FOMOS EM 2020?

Considerando a atipicidade do ano devido à pandemia com 1.542 pessoas que perderam o emprego nos meses de abril e maio, começamos janeiro embalados com bom saldo de empregos gerados (343). Já em outubro (484) e novembro (469) os dados foram excelentes.

ASSIM

Na matemática dos 12 meses tivemos três meses negativos (abril, maio e dezembro) com a soma de 1.612 vagas fechadas e os outros nove meses com dados positivos de 2.055 empregos gerados. Ao final são 443 vagas geradas a mais que as demissões ocorridas.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *