Geral

Lockdown: CDL e Acil emitem nota

ENTIDADES MANTÊM POSICIONAMENTO CONTRÁRIO À SUSPENSÃO DE ATIVIDADES NÃO ESSENCIAIS, ESPECIALMENTE O COMÉRCIO

Tanto a CDL, que representa especificamente o comércio lageano, quando a Acil, emitiram nota sobre a manutenção da suspensão das atividades ditas não essenciais pelo restante da semana em Lages. Lamentam a medida, citam respeito à vida humana, mas destacam o impacto das portas fechadas às empresas que vivem do varejo.

25% DE ATENDIMENTO

As notas ainda observam que houvera uma reivindicação de atendimento parcial de apenas 25% nos estabelecimentos, mas nem isso fora considerado pelo Comitê da Crise. Na semana passada, quando da entrada em vigor das restrições, o comunicador Adilson Oliveira (Clube FM) liderou um chamamento para que o sistema delivery fosse ampliado a todos os setores do comércio lageano (citava, por exemplo, a área de materiais de construção). Na ampliação do decreto, houve essa flexibilização do delivery em todas as atividades. As entidades (CDL e Acil) consideraram isso algo positivo, em meio às restrições lamentadas. Citam que a flexibilização de delivery fora reivindicação também dos dirigentes.

MAIS FISCALIZAÇÃO E

XÔ LOCKDOWN EM SC

As notas das entidades cobram maior fiscalização por parte do poder público – e forças de segurança. Entendem que o núcleo da contaminação está nas aglomerações clandestinas e combatíveis com fiscalização mais rigorosa (sim, há razão nisso). E ainda informam que estão recorrendo às federações (entidades estaduais) que as representam para ajudar combater a hipótese de um lockdown estadual.

Entidades representadas na reunião virtual que acabou por sacramentar a manutenção das restrições até sexta-feira, 19

***

EMPÓRIO DAS CARNES INFORMA:

Atendimento das 7:30 às 18:00h.

Procedência e qualidade em animais criados a pasto em propriedades como da Cabanha Maior. Tudo manuseado dentro dos mais rigorosos padrões sanitários!

Compartilhe

1 comentário para: “Lockdown: CDL e Acil emitem nota”

  1. Existem leis que proíbem mostrar o rosto de qualquer um que cometa algum delito, mas agora que é uma exceção, pandemia, deveriam aprovar uma lei onde pudesse divulgar a foto das pessoas que estão promovendo aglomerações, por exemplo, festas clandestinas ou algo parecido, aposto que iriam pensar duas vezes antes de agirem assim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *