Geral

Mas o que tanto falta nessa nova ala?

INTERNAUTA ENVIA INDAGAÇÃO TENTANDO ENTENDER O QUE NÃO ESTAVA FEITO QUE DETERMINOU TANTO ATRASO NA NOVA ALA DO HOSPITAL TEREZA RAMOS

Além da indagação do internauta, o ex-vereador Samuel Ramos foi para rede social apontar que ‘depois de três anos de atraso finalmente o governo vai colocar em funcionamento a nova ala’. Na verdade, não é verdade essa afirmação. O atraso não é de três, talvez de cinco, talvez mais. Mas isso não vem ao caso. O que vem é essa demora real, lamentável e que está sendo superada. Uma meia hora de conversa com o diretor Maurício Batalha permite entender as pendências que dificultavam a funcionalidade da estrutura.

ALIÁS

A gente escreve isso (das pendências) sem jogar pedras no governo anterior (Colombo e Pinho) até porque, se o então governador lageano não tivesse iniciado a obra e levantado a estrutura, jamais teríamos essa ampliação de oferta de espaços à saúde de Lages. Logo, Colombo não é vilão dessa novela chamada nova ala. Ele apenas saiu de cena antes de alguns desdobramentos. Mas tem mérito e aquele que não reconhecer estará sendo ingrato. E ingratidão é palavra que não combina com o lageano.

Subchefe da Casa Civil, Juliano Chiodelli, na visita técnica com o governador à nova ala

VOLTANDO À OBRA

Depois que o esqueleto foi levantado lá na metade da década passada, uma série de inovações passou a integrar o protocolo de construções hospitalares. E essa estrutura lageana precisou se adaptar a isso. E houve ainda alguns ‘esquecimentos’ como já informado por aqui, como da rampa que não estava no projeto, foi construída pela empresa e (parece-me) que não recebeu ainda.

Essa foto dá uma ideia das interferências que foram (e estão sendo) necessárias no prédio. Enquanto o diretor Batalha dá a palestrinha sobre as alterações, à direita se observa trabalhos a caminho. Houve colocação de vidros em porta e uma série de situações que parece detalhe, mas sem isso, não tem hospital funcionando

COMO FICA A NOVA ALA COM

MAIS ANDARES FUNCIONANDO?

“Como o tomógrafo deve ser instalado rapidamente, nas próximas semanas poderemos ter o térreo funcionando também”. A observação é do Assessor de Governo Lucas Neves que, ao lado de Juliano Chiodelli e do diretor Maurício Batalha, construíram as providências junto ao governo central para a funcionalidade da nova ala. E assim:

SUBSOLO – Regional de Saúde/Emergência

TÉRREO – Centro de Diagnóstico por Imagem

PRIMEIRO ANDAR – 20 leitos de UTI Covid-19

SEGUNDO ANDAR – 30 leitos Enfermaria Covid

TERCEIRO ANDAR – 26 leitos UTI Covid

QUARTO ANDAR – Novo Centro Cirúrgico

QUINTO ANDAR – Centro de Esterilização

Os dois últimos andares têm previsão de funcionamento em outubro. Mas os espaços para atendimento mais necessário (por causa da pandemia) nos três andares funcionais têm pleno funcionamento a partir desta semana.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *