Geral

Máscara: Lages na carona do Estado

Numa tendência natural, que deve ser seguida por boa parte dos municípios, Lages se submete ao regramento de flexibilização do uso de máscara como aparelho de prevenção à Covid-19. Falando ao colega Adilson Oliveira no programa Clube Comunidade da Rádio Clube FM 98,3 o secretário da Saúde, Claiton Camargo de Souza observou a submissão àquilo anunciado pelo governador Moisés:

“É preciso que a flexibilização seja interpretada de forma que o cidadão pode optar por circular na rua sem usar máscara e, tal postura não gere multa ou abordagem de orientação. Entretanto, mesmo em local público em que não seja possível manter o distanciamento entre as pessoas, a máscara segue exigida e se torna fundamental para manter os bons índices”.

Secretário Claiton foi didático, inclusive respondendo perguntas e fazendo esclarecimentos sobre essa flexibilização, mas pelo menos em três oportunidades reforçou:

“Essa flexibilidade somente está sendo possível graças a vacinação. É a adesão das pessoas à vacina que está melhorando os índices e permitindo medidas como essa”.

TOTALIZAÇÃO EM LAGES

Considerando as pessoas que receberam a dose única da Janssen ou as duas doses de imunização, Lages chega a expressivas 110.839 pessoas com o ciclo vacinal básico completo (básico porque agora tem a terceira dose). Ao todo já foram aplicadas 255.122 doses em pessoas que confirmam o domicílio em Lages. Tais doses atendem todas as faixas da população, de adolescentes a idosos, incluindo a aplicação de 12.565 terceiras doses no público alvo.

HÁ INTERPRETAÇÃO DIFERENTE NA SERRA CATARINENSE

Diferente de Lages que embarcou devereda na flexibilização estadual (e o uso da máscara em local público sem aglomeração passou a ser facultativo), há prefeituras interpretando de outra forma. Em Otacílio Costa, por exemplo, o entendimento é de que a norma sobre exigência do uso de máscara decorre de um decreto do prefeito Fabiano Baldessar. E o documento, mais restritivo que o Estado, segue valendo. Haverá uma reunião do prefeito e equipe para avaliar a flexibilização no uso da máscara, seguindo o modelo estadual.

ENTENDA ASSIM

Otacílio Costa está certo nesta postura. Os municípios não podem flexibilizar mais que aquilo que a norma estadual impõe. Mas as prefeituras podem restringir mais que o Estado. Significa que se o Governo do Estado libera o não uso de máscara em local público (ruas e praças), se as prefeituras quiserem manter a restrição, podem fazê-lo, sem contraindicação legal. Dependerá da realidade de dados em cada cidade, sobre a incidência da Covid-19.

Em Otacílio Costa a prefeitura fará reunião par decidir se adere ou não à flexibilidade anunciada pelo Governo do Estado

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *